Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Saúde

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

| Editoria Saúde | 13/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A epidemia da ébola poderá ser administrada em casa se os testes de drogas na República Democrática do Congo forem bem-sucedidos, acredita Jeremy Farrar, importante cientista, especialista em doenças infecciosas e diretor do Wellcome Trust. Quatro drogas experimentais estão a começar a ser usadas como parte de um teste inovador em condições extremamente difíceis para combater o surto na RDC orientado pelo conflito.

O especialista afirmou que todos os dados colectados com o uso desses medicamentos serão reunidos com evidências de futuros surtos num programa de cinco anos que pode levar a tratamentos eficazes e licenciados. Isso poderia tirar os infectados pela ébola das unidades de isolamento, onde os pacientes são tratados por enfermeiras em máscaras, e permitir que eles sejam cuidados em casa. Segundo Farrar, o modelo poderia ser usado para encontrar tratamentos para outras doenças, como a febre Nipah e Lassa, que também se manifestam em surtos súbitos e letais.

Um plano para um programa de cinco anos de testes contra a ébola está prestes a ser assinado pela Organização Mundial de Saúde, o National Institutes of Health nos EUA, o Departamento para o Desenvolvimento Internacional no Reino Unido, o Wellcome Trust, as empresas farmacêuticas, bem como os Médicos Sem Fronteiras e a Aliança para Açção Médica Internacional (ALIMA), organizações que administram clínicas de campo.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade