Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Opinião

CRÓNICA DA TERRA LXIII AINDA A VIDA QUE SE PODE FAZER NOS MUNICÍPIOS: CHIICUMA, NA GANDA MOSTRA COMO

Fernando Pacheco | Editoria Opinião | 17/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A


Fernando Pacheco

Membro do OPSA

Nas minhas últimas crónicas tenho procurado abordar o desenvolvimento local ligado ao momento que se vive em Angola com vista à descentralização e à institucionalização das autarquias. Tenho tentado defender a ideia de que se deve aproveitar esta oportunidade para se arrumar o país a partir de um novo recomeço, baseado numa maior participação dos cidadãos na construção de um processo de desenvolvimento mais endógeno, enraizado nas realidades locais com toda a riqueza da sua diversidade e que possa constituir um caminho para uma Angola renovada e reconciliada.

No final do mês de Outubro passado tive o grato prazer de participar na edição de 2018 do Encontro das Comunidades que a ADRA – organização a que continuo ligado como membro que faz trabalho cívico de carácter voluntário, tal como acontece com muitos outros companheiros e companheiras de percurso, com idades muito diferenciadas – promove anualmente com representantes eleitos das comunidades e municípios das seis províncias onde intervém. A importância deste tipo de trabalho que já vem de quase trinta anos pode ser resumida numa frase de um participante: o que a ADRA faz é mostrar-nos que há caminho e isso não tem preço, a responsabilidade de caminhar é nossa.

Excepcionalmente o Encontro deste ano ocorreu em Luanda. Um pequeno grupo de representantes das comunidades presentes foi recebido pela Secretária de Estado da Administração do Território e outro na Provedoria de Justiça. Aproveitaram a oportunidade para expor as suas preocupações – como a obtenção do Bilhete de Identidade e a delimitação das terras comunitárias, por exemplo – e ouviram comentários como “a impunidade está a acabar”, o que levou um dos relatores desses encontros a afirmar em umbundu – apesar de ser fluente em português, o que revela uma importante preocupação com aspectos identitários, algo que é fundamental em processos de desenvolvimento deste tipo – que “este país está mesmo a mudar”.

É do caminho que está ser percorrido pela Cooperativa Unidos Venceremos, na comuna da Chicuma, município da Ganda, província de Benguela e das mudanças que aí estão a acontecer, que pretendo falar. A informação foi prestada pelo Presidente da Cooperativa, Rafael Tiago.

[ Texto  Publicado na edicção Nº135  da revista África21]

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade