Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Ciência

Túmulo com mais de quatro mil anos encontrado no Egipto

| Editoria Ciência | 18/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cairo - Uma equipa de arqueólogos encontrou um túmulo, no Egipto, com cerca de 4.400 anos, em bom estado, que pertenceria a um sacerdote real e à família.

A descoberta foi feita em Saqqara, uma cidade a sul do Cairo, conhecida por ser uma importante necrópole do Antigo Egipto.

Os elementos descobertos e agora tornados públicos datam do reinado de Neferirkare Kakai, o terceiro rei da quinta dinastia do antigo Egipto, disse, citado pelo jornal "The New York Times", Khaled al-Anani, ministro das Antiguidades.

A quinta dinastia governou o Egipto durante cerca de século e meio, de 2500 a.C. até 2350 a.C.

Num comunicado, o ministério explicou que no túmulo encontraram "cenas mostrando o sacerdote com a mãe, a esposa e a família".

Em declarações à agência Reuters, Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egipto, disse que a tumba permaneceu intocada. "Trata-se de uma descoberta única", revelou.

O local está a ser escavado desde Novembro. No interior, os cientistas encontraram paredes decoradas com vários hieróglifos coloridos e estátuas de faraós.

As autoridades locais acreditam que em breve poderão encontrar objectos arqueológicos importantes, incluindo o caixão ou o sarcófago do padre.

Saqqara era o cemitério de Memphis, a capital do antigo reino e alberga a famosa Pirâmide de Djoser. As autoridades esperam que as recentes descobertas ajudem a reconstruir a imagem do Egipto como destino turístico.

A Primavera Árabe e o crescimento das actividades do grupo Estado Islâmico na região fizeram recuar o número de visitantes.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade