Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Cultura

Túmulo com mais de quatro mil anos encontrado no Egipto

| Editoria Cultura | 18/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cairo - Uma equipa de arqueólogos encontrou um túmulo, no Egipto, com cerca de 4.400 anos, em bom estado, que pertenceria a um sacerdote real e à família.

A descoberta foi feita em Saqqara, uma cidade a sul do Cairo, conhecida por ser uma importante necrópole do Antigo Egipto.

Os elementos descobertos e agora tornados públicos datam do reinado de Neferirkare Kakai, o terceiro rei da quinta dinastia do antigo Egipto, disse, citado pelo jornal "The New York Times", Khaled al-Anani, ministro das Antiguidades.

A quinta dinastia governou o Egipto durante cerca de século e meio, de 2500 a.C. até 2350 a.C.

Num comunicado, o ministério explicou que no túmulo encontraram "cenas mostrando o sacerdote com a mãe, a esposa e a família".

Em declarações à agência Reuters, Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egipto, disse que a tumba permaneceu intocada. "Trata-se de uma descoberta única", revelou.

O local está a ser escavado desde Novembro. No interior, os cientistas encontraram paredes decoradas com vários hieróglifos coloridos e estátuas de faraós.

As autoridades locais acreditam que em breve poderão encontrar objectos arqueológicos importantes, incluindo o caixão ou o sarcófago do padre.

Saqqara era o cemitério de Memphis, a capital do antigo reino e alberga a famosa Pirâmide de Djoser. As autoridades esperam que as recentes descobertas ajudem a reconstruir a imagem do Egipto como destino turístico.

A Primavera Árabe e o crescimento das actividades do grupo Estado Islâmico na região fizeram recuar o número de visitantes.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade