Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Artigo

Guerras comerciais e desordem mundial

| Editoria Artigo | 20/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 

Por Nathalie Ahmed

O PRESIDENTE Donald Trump não acredita numa economia em que todos ganham, mas acredita que os mais espertos e audazes merecem a fortuna que conseguiram amealhar e os poderes que ela confere sobre o resto da humanidade.

Ele, os milhões de eleitores americanos que o elegeram e a maioria dos cidadãos dos Estados Unidos querem que o seu país recupere o lugar que era seu em 1945, quando representava mais de metade do PIB mundial. Se em 2014 os EUA não representavam mais do que 22,2% do PIB mundial, ultrapassados pela União Europeia (23,8%) e ameaçados pela China em rápida ascensão (13,4%) lhes parece evidente que fizeram um “mau negócio” e que as regras do jogo devem ser alteradas.

2018 é o ano em que o resto do mundo descobriu o sentido das palavras de ordem da campanha presidencial de Trump, “Make America Great Again” e “America First”. Significam que para conquistar o primeiro lugar no pódio planetário e conservá-lo, os Estados Unidos devem crescer mais que os seus rivais e impedi-los de enriquecer “às suas custas”. Segundo Trump, os Estados Unidos foram demasiado brandos e deixaram-se explorar. A lista dos agravos e “prejuízos”, alegadamente sofridos, era e é infindável. Foram os aliados, da NATO e outros, que fizeram recair sobre os EUA e as suas Forças Armadas o peso e os custos da sua defesa; foram os exportadores, europeus e asiáticos, que inundaram o mercado americano com os seus produtos; os países em desenvolvimento – com a China à cabeça – que arruinaram as indústrias americanas com as deslocalizações de produções destruidoras de empregos e o «roubo» das tecnologias mais inovadoras….

 

{Leia o artigo na integra  na edicção 135 da Revista África21, mês de Dezembro}


 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade