Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Política

Madagáscar: Rajoelina vence eleição

| Editoria Política | 28/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ex-chefe de Estado Andry Rajoelina venceu oficialmente na quinta-feira, 27, a eleição presidencial em Madagascar, derrotando seu rival Marc Ravalomanana na segunda volta de uma eleição disputada e marcada por acusações de fraude.

Andry Rajoelina (Chefe de Estado entre 2009 e 2014) ganhou 55,66% dos votos, contra 44,34% de Marc Ravalomanana, outro ex-presidente, segundo os resultados da segunda ronda de 19 de Dezembro, publicados pela comissão eleitoral.

Comentando a sua vitória na imprensa na sede da comissão eleitoral, Rajoelina disse que "o povo malgaxe era capaz de se expressar livremente" e pediu "uma alternância democrática".

"Minha mensagem é simples, o povo malgaxe não precisa mais de uma crise", mas "um líder sábio e unificador para unificar todo o povo malgaxe", disse ele.

"Os olhos de toda a assembleia agora estão se voltando para nós e deve haver uma alternância democrática agora em Madagáscar", acrescentou Rajoelina.

O Supremo Tribunal Constitucional tem nove dias para validar ou invalidar os resultados após o exame de possíveis recursos.

Hery Rakotomanana, presidente da comissão eleitoral disse que "esforços" foram feitos "para responder aos pedidos dos dois candidatos, um pediu uma revisão do software de contagem, o outro pediu um confronto das actas", informou.

A eleição presidencial foi marcada por acusações mútuas de fraude pelos dois candidatos finalistas que passaram incontáveis ​​vezes e por vezes fizeram promessas irrealistas de ganhar e voltar à presidência.

Sua campanha de endividamento pessoal obscureceu amplamente a linha de fundo do país, que é uma das mais pobres do continente africano e está sujeita à instabilidade política desde a independência da França em 1960.

Rajoelina, de 44 anos, esteve presente no anúncio dos resultados, sentado entre os cerca de 200 anfitriões da comissão eleitoral, enquanto o assento reservado para seu rival, de 69 anos, permaneceu vazio.

"É lamentável que o outro candidato não esteja aqui", lamentou o presidente da comissão eleitoral, Rakotomanana, enquanto muitos policiais armados patrulhavam a sede da comissão.

Observadores da União Européia disseram que não encontraram nenhuma irregularidade significativa na cédula.

- Medo de problemas pós-eleitorais -

Cerca de cinco milhões de eleitores participaram da segunda volta, 48% dos inscritos, menos do que os 55% da primeira ronda realizada em Novembro.

Tal como a UE, a União Africana felicitou também os "dois candidatos, toda a classe política e o povo malgaxe que, apesar das diferenças demonstraram contenção".

 No domingo, quando se anunciou a victória de Rajoelina, após a publicação dos resultados provisórios, seu rival chamou "todos malgaxes que sentiram ter sofrido uma injustiça e uma violação de seus direitos e seu voto, para se levantarem" e “ousam defender sua escolha ", aumentando os temores de distúrbios pós-eleitorais.

No primeiro turno, Rajoelina já havia vencido com 39% dos votos, contra 35% de seu principal adversário. O terceiro maior candidato, o Presidente cessante Hery Rajaonarimampianina, foi eliminado com apenas 9% dos votos.

Ex-propaganda e disc jockey, Andry Rajoelina mantém uma feroz rivalidade desde a crise de 2009 com Marc Ravalomanana, um empresário que fez uma fortuna à frente de um grupo de lacticínios.

Eleito presidente em 2002, Ravalomanana foi forçado a renunciar diante de uma onda de violentos protestos fomentados por Rajoelina, então prefeito de Antananarivo.

Este último foi então instalado pelo exército à frente de uma presidência de transição que ele deixou em 2014.

Os dois homens foram proibidos de concorrer à presidência em 2013 como parte de um acordo pós-crise aprovado pela comunidade internacional.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade