Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2019

ANGOLA

Situação Económica de Angola

ANGOLA

Informação e Percepção da Economia Angolana

ANGOLA

Recordar o passado para encontrar soluções

ÁFRICA

FATALIDADES E ESPERANÇAS DA ECONOMIA AFRICANA

AFEGANISTÃO

LISTA NEGRA DOS SOLDADOS DO PROFETA

ANGOLA

OS DESAFIOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2022

ÁFRICA

ADAPTAR OS EXÉRCITOS AFRICANOS AOS NOVOS INIMIGOS

ANGOLA

MPLA - O CONGRESSO DO REJUVENESCIMENTO

Rádio

Publicidade

Política

Somália manda chefe de missão da ONU deixar o país

| Editoria Política | 03/01/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo somali ordenou na terça-feira, 02, que o enviado da ONU para a Somália deixasse o país, acusando-o de "interferência deliberada" em sua "soberania".

A decisão foi tomada poucos dias depois que o oficial, Nicholas Haysom, expressou sua preocupação com as acções da polícia apoiada pela ONU na recente violência que resultou em várias mortes. Entretanto, a missão da ONU na Somália não respondeu imediatamente a esta decisão.

"O representante especial do Secretário-Geral da ONU para a Somália, Nicholas Haysom, não é mais bem-vindo à Somália e não pode mais trabalhar no país", disse o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado na noite de terça-feira.

Nicholas Haysom, um experiente advogado e diplomata sul-africano, foi nomeado para o cargo em Setembro de 2018. Anteriormente, ele era enviado da ONU para o Sudão e o Sudão do Sul.

De 13 a 15 de Dezembro, as forças de segurança da Somália usaram uma maneira forte de encerrar três dias de manifestações na cidade de Baidoa, no sudoeste do país, durante a qual 15 pessoas foram mortas e outras 300 presas, segundo o relatório. ONU.

Manifestantes protestavam contra a prisão de Muktar Robow, um ex-líder islâmico radical da Somália Shebab, que concorreria à presidência do seu Estado do Sudoeste.

Actualmente, a Somália tem cinco estados, para não mencionar a Somalilândia (norte), que proclamou sua independência e não foi reconhecida pelo Governo central. "As relações entre esses estados federados e o Governo central são muitas vezes tensas, a primeira exigindo mais autonomia, enquanto a segunda está ansiosa para não ver seu poder diluído".

Muktar Robow havia desertado publicamente da Shebab em Agosto de 2017 mas uma semana antes da eleição regional, o governo federal o prendeu, acusando-o de "organizar uma milícia" em Baidoa e "nunca renunciou a suas ideologias extremistas ".

Um ex-ministro próximo ao actual Governo, Abdiaziz Hassan Mohamed, que ganhou a eleição, na ausência de Muktar Robow, ainda sob custódia em Mogadíscio.

Ajuda suspensa

A missão da ONU na Somália é encarregada de apoiar os esforços de paz e fortalecer as instituições do Governo no país, devastadas por décadas de guerra civil.

As Nações Unidas ajudam as forças policiais, incluindo o financiamento de sua logística, uniformes, treinamento e até mesmo parte de seu salário.

Em uma carta dirigida ao Governo somali em 30 de Dezembro, Haysom pediu uma explicação sobre a legalidade da prisão de Muktar Robow e pediu uma investigação sobre a repressão policial.

Haysom lembrou que o apoio da ONU a qualquer força policial depende do respeito aos direitos humanos. A missão da ONU já havia assistido a um vídeo em que o chefe de polícia regional ameaçava qualquer um que quisesse protestar sem autorização para ser baleado nas nádegas.

O chefe da missão anexou anexos à sua carta, incluindo uma nota da União Europeia, Grã-Bretanha e Alemanha anunciando a suspensão de sua ajuda ao Estado do Sudoeste. Os doadores estão convocando uma reunião para discutir, entre outras coisas, "como melhorar o comportamento policial e o respeito aos direitos humanos".

A missão da ONU na Somália, como a da União Africana (Amisom), e as muitas ONGs que trabalham no país estão trabalhando em “um ambiente de segurança complicado”.

Na terça-feira, três pessoas ficaram feridas, incluindo dois funcionários da ONU, em uma explosão de morteiros em sua base de Mogadíscio.

“Eles foram expulsos de Mogadíscio em 2011 e o Shebab perdeu a maior parte de suas fortalezas. Mas eles ainda controlam grandes áreas rurais das quais realizam operações de guerrilha e atentados suicidas, inclusive na capital, contra objetivos governamentais, de segurança ou civis”.

Eles juraram a perda do governo somali, apoiado pela comunidade internacional e pelos 20.000 homens do Amisom.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade