Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Política

Bangui : Rebeldes tomam controlo de uma cidade mineira na RCA

| Editoria Política | 08/01/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Frente Popular para o Renascimento Centro-africano (FPRC), grupo armado saído do ex-Séléka, tomou  o controlo na segunda-feira, 7, da cidade mineira de  Bakouma, situada no centro-sul da RCA.

O grupo, formado  maioritariamente por muçulmanos, obrigou as autoridades locais e os soldados da Missão das Nações Unidas (MINUSCA) a abandonar a cidade, afirmou um correspondente da BBC em Bangui.

Segundo um deputado desta cidade, durante o ataque ocorrido no domingo houve mortos, casas e lojas incendiadas, bem como deslocações em massa de pessoas para o mato e para localidades vizinhas.

O líder da FPRC, Abdoulaye Hissène, disse que o grupo rebelde pretende estender o seu controlo a toda a região de Bangassou, onde se situa a cidade de Bakouma.

Bakouma é uma cidade estratégica, onde se encontra uma grande mina de urânio. A companhia mineira francesa Areva, que opera na zona, suspendeu as suas actividades, segundo a BBC.

A cidade possui igualmente uma mina de diamantes e é também uma zona de passagem do tráfico de armas que compreende um corredor ligado ao Tchad e ao Sudão.

Sob as ordens do seu chefe de estado-maior, Abdoulaye Hissène, a FPRC força as autoridades regionais de Bangassou, bem como os soldados da MINUSCA, a deixar esta cidade.

Hissène rejeita qualquer diálogo com a missão enviada à Bakouma pelas autoridades centro-africanas, alegando o incumprimento dos acordos assinados pela FPRC e o Governo.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade