Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2019

ANGOLA

Situação Económica de Angola

ANGOLA

Informação e Percepção da Economia Angolana

ANGOLA

Recordar o passado para encontrar soluções

ÁFRICA

FATALIDADES E ESPERANÇAS DA ECONOMIA AFRICANA

AFEGANISTÃO

LISTA NEGRA DOS SOLDADOS DO PROFETA

ANGOLA

OS DESAFIOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2022

ÁFRICA

ADAPTAR OS EXÉRCITOS AFRICANOS AOS NOVOS INIMIGOS

ANGOLA

MPLA - O CONGRESSO DO REJUVENESCIMENTO

Rádio

Publicidade

Política

Bangui : Rebeldes tomam controlo de uma cidade mineira na RCA

| Editoria Política | 08/01/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Frente Popular para o Renascimento Centro-africano (FPRC), grupo armado saído do ex-Séléka, tomou  o controlo na segunda-feira, 7, da cidade mineira de  Bakouma, situada no centro-sul da RCA.

O grupo, formado  maioritariamente por muçulmanos, obrigou as autoridades locais e os soldados da Missão das Nações Unidas (MINUSCA) a abandonar a cidade, afirmou um correspondente da BBC em Bangui.

Segundo um deputado desta cidade, durante o ataque ocorrido no domingo houve mortos, casas e lojas incendiadas, bem como deslocações em massa de pessoas para o mato e para localidades vizinhas.

O líder da FPRC, Abdoulaye Hissène, disse que o grupo rebelde pretende estender o seu controlo a toda a região de Bangassou, onde se situa a cidade de Bakouma.

Bakouma é uma cidade estratégica, onde se encontra uma grande mina de urânio. A companhia mineira francesa Areva, que opera na zona, suspendeu as suas actividades, segundo a BBC.

A cidade possui igualmente uma mina de diamantes e é também uma zona de passagem do tráfico de armas que compreende um corredor ligado ao Tchad e ao Sudão.

Sob as ordens do seu chefe de estado-maior, Abdoulaye Hissène, a FPRC força as autoridades regionais de Bangassou, bem como os soldados da MINUSCA, a deixar esta cidade.

Hissène rejeita qualquer diálogo com a missão enviada à Bakouma pelas autoridades centro-africanas, alegando o incumprimento dos acordos assinados pela FPRC e o Governo.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade