Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Política

No Togo, uma mulher eleita presidente da Assembleia Nacional

| Editoria Política | 24/01/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Yawa Djigbodi Tsegan,de 47 anos, membro do partido no poder, União para a República (UNIR), tornou-se  na quarta-feira,23, a primeira  mulher a ocupar o cargo de presidente da Assembleia Nacional da República do Togo.

A parlamentar Yawa Djigbodi Tsegan foi eleita com 88 % dos votos pelos 91 deputados presentes, na assembleia de voto na cidade de Lomé e vai estar na presidência  da Assemblleia Nacional nos próximos cinco anos. Tségan sucede a Dama Dramani, também membro do partido no poder e chefe da Assembleia Nacional desde Setembro de 2013. Anteriormente ocupou o cargo de primeiro administrador no antigo escritório da Assembléia Nacional.

"É com responsabilida Pela primeira vez na história do Togo, uma mulher presidirá o parlamento. Menos citada entre os deputados favoritos nesta posição, a Sra. TSEGAN Yawa Djigbodi, do partido no poder União para a República (UNIR), foi eleita pelos seus colegas, presidente da Assembleia Nacional. de que assumimos esse papel, enfrentando os vários desafios que temos pela frente" , disse Dama Dramani aos repórteres.

 "Um golpe eleitoral"

Os 91 novos deputados saíram das eleições parlamentares de 20 de Dezembro de 2018, boicotados pela principal coligação da oposição que denunciou "irregularidades" na sua preparação. Esta eleição foi ganha pelo partido no poder, que ganhou 59 dos 91 assentos  existentes na Assembleia Nacional.

Observadores da União Africana (UA) e da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) congratularam-se com a boa condução destas eleições legislativas, tal como os líderes da África Ocidental que julgaram a 22 de Dezembro, em Abuja, que estas eleições, "livres e transparentes", estavam de acordo com o seu roteiro para uma saída da crise no Togo.

A principal coligação da oposição pediu manifestações, marcadas para  26 de Janeiro(sábado) em Lomé e em várias cidades do país para "denunciar e condenar um golpe eleitoral". Faure Gnassingbé, que está no poder desde 2005, teve sucesso na violência contra seu pai, o general Gnassingbe Eyadema, que liderou o país com mão de ferro durante trinta e oito anos.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade