Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2019

ÁFRICA

ELEIÇÕES E DEMOCRACIA EM ÁFRICA A CONTROVÉRSIA SOBRE UM MODELO QUE SE IMPÕE

ÁFRICA

Calendário das Eleições em África 2019

ÁFRICA

O REFINAMENTO DOS REGIMES AUTORITÁRIOS NÃO É SÓ COISA DE AFRICANOS

CONGO RD

AS ELEIÇÕES NA RD CONGO AS PRECIOSAS LIÇÕES QUE A RD CONGO APRENDEU COM A CÔTE D’IVOIRE

ÁFRICA

A África é segunda no ranking mundial da desflorestação

EGITO

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

ÁFRICA

«Guerra contra o terrorismo islâmico em Africa»: Anatomia de um fracasso

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

Rádio

Publicidade

Saúde

Mais de mil pessoas morrem anualmente de cancro da mama no Rwanda

| Editoria Saúde | 06/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Mais de mil e trezentas pessoas morrem de cancro da mama em cada ano no Rwanda, o que representa mais de 80 porcento dos casos, de acordo com estimativas oficiais do Ministério rwandês da Saúde disponibilizados segunda-feira, 4 de fevereiro. 

Os dados foram divulgados por ocasião da comemoração do ano de cancro celebrado no Mundo inteiro.

Centenas de pessoas saíram às ruas da capital rwandesa, Kigali, para participar num evento desportivo combinado com manifestações de sensibilização e de apoio à prevenção do cancro e a pacientes.

Entre outros programas de prevenção e controlo implementados pelo país, há a instauração de serviços de cirurgia oncológica no Hospital Militar do Rwanda, em hospitais universitários, no hospital King Faisal e no Hospital do distrito de Butaro, no norte do país. 

Os cancros mais comuns no Rwanda são aqueles que podem ser associados a uma etiologia infeciosa, tais como o cancro da mama (80 porcento), do fígado (12 porcento), do colo do útero (12 porcento) e do estômago (9 porcento).

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade