Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Intervenções do BAD no Burundi acima de usd um bilião

| Editoria Economia | 07/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) financiou 100 projectos, avaliados em mais de um bilião de dólares americanos, desde a sua implantação no Burundi, em 1968, soube-se de fonte próxima da instituição.

O BAD mantém uma presença constante no Burundi, contrariamente a outros parceiros técnicos e financeiros tradicionais da Europa e América, que deixaram o país depois da crise política e dos direitos humanos, marcadas por actos de violência, em 2015, entre outros uma tentativa de golpe militar.

O anúncio da presença contínua e activa desta instituição bancária pan-africana foi feita pelo chefe da delegação dos seus administradores, René Obam, que está no país por mais de uma semana, para consultas oficiais com vista a reforçar mais ainda a cooperação.

A visita visa igualmente fazer um balanço das realizações no terreno, devendo incidir mais sobre a exploração dos recursos naturais do Burundi, "um país que possui uma importante bacia mineira".

Nesta área, "podemos oferecer uma assistência jurídica e técnica, através do nosso centro de gestão dos recursos naturais", indicou.

O BAD financia, no Burundi, projectos relativos às infra-estruturas rodoviárias, saúde, agricultura, educação e energia.

Relativamente à actual situação, o Burundi está a recuperar progressivamente de uma crise sócio-política profunda, que destruiu o tecido produtivo da sua economia, ressaltam analistas do BAD.

A crise seguiu-se às eleições gerais controversas e marcadas por aptos de violência, em 2015.

Um certo número de indicadores sociais económicos do país demonstram fenómenos como  uma baixa para -0,2 porcento do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) real, em 2017, antes de aumentar para cerca de 1,4 porcento, em 2018, graças ao acréscimo da produção do café e do chá, à recuperação do sector dos serviços (7,4 porcento) e aos desempenhos do sector das indústrias transformadoras e agro-alimentares (3,2 porcento), de acordo com dados do BAD.

A economia burundesa está ainda frágil por causa da sua forte dependência do sector primário, em termos de contribuição para o PIB (40 porcento).

O PIB por habitante fixava-se em 215 dólares americanos, em 2012, contra 286 dólares americanos antes da crise de 1993, mencionou o BAD.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade