Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Antigo presidente ivoiriense Laurent Gbagbo chega à Bélgica

| Editoria Política | 07/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo Presidente ivoiriense, Laurent Gbagbo, chegou terça-feira à Bélgica, onde reside a sua segunda esposa, Mady Bamba, depois da sua libertação, pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), que o absolveu das acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, para as quais ficou detido durante oito anos, em Haia.

A porta-voz dos serviços belgas de Imigração, Dominique Ernauld, confirmou que Laurent Gbagbo recebeu um visto de tipo C, autorizando-o a permanecer legalmente na Bélgica durante 90 dias, podendo o documento ser renovado após decisão da Justiça.

A Bélgica autorizou Laurent Gbagbo a permanecer no país, na sua qualidade de Estado- membro do TPI, ao mesmo título do que a Côte d’Ivoire.

Em princípio, Laurent Gbagbo pode regressar à Côte d’Ivoire, mas no seu país ele está  sob mandado de captura, acusado de ter comandado a pilhagem do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), em Abidjan, durante a violência pós-eleitoral.

O Presidente Alassane Ouatara não decretou nenhuma graça para os autores e mandantes da pilhagem, como o fez para com os crimes de guerra e crimes contra a humanidade, de que foi acusado o antigo presidente.

Recorde-se que Laurent Gbagbo juntou-se a Mady Bamba, de 47 anos, com base num casamento tradicional, enquanto que com a ex-primeira Dama, Simone Ehivet Gbagbo, fervente católica, o casamento foi celebrado numa Igreja Cristã.

Embora tenha sido apresentada uma queixa no TPI contra esta última, por crimes de guerra e crimes contra a humanidade, o Governo ivoiriense nunca a transferiu para o Tribunal Penal Internacional.

Em princípio, Simone Gbagbo não pode sair da Côte d’Ivoire, para viajar para qualquer lugar, nomeadamente a Bélgica.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade