Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Economia

EUA: Trump indica crítico do BM para presidir a entidade

| Editoria Economia | 07/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump, indicou David Malpass, um forte crítico do Banco Mundial (BM), para conduzir a entidade.

David Malpass, alto funcionário do Departamento do Tesouro, é uma opção controvérsa, mas se Trump conseguir o apoio da maioria dos accionistas do BM, especialmente de países europeus, terá a oportunidade de reformular a instituição.

Trump descreveu Malpass como "um homem extraordinário", que é a "pessoa correcta" para conduzir o BM - com a presidência vaga desde 1 de Fevereiro deste ano, após a renúncia inesperada Jim Yong Kim.

"Os EUA são o maior contribuinte do Banco Mundial", disse Trump. "O meu governo tornou prioridade que cada dólar dos contribuintes dos Estados Unidos seja gasto efectiva e sabiamente', afirmou.

Trump e a sua equipa atacaram reiteradamente as instituições multilaterais e Malpass liderou as acusações contra o BM e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Aos 62 anos, Malpass classificou as políticas de empréstimos das duas instituições como "corruptas" e queixou-se do financiamento oferecido à China e a outras nações relativamente ricas.

Na Casa Branca, Malpass afirmou que vai procurar implementar as reformas no BM aprovadas em 2018, após negociações para ampliar em US$ 13 biliões o capital de empréstimos da entidade. O objectivo é que países como a China recebam menos empréstimos e mais caros.

"Sou muito optimista em poder alcançar grandes avanços para gerar crescimento que nos permita combater a extrema pobreza e aumentar as oportunidades económicas no mundo em desenvolvimento", disse Malpass.

Altos funcionários americanos disseram à imprensa que Malpass e o governo de Trump apoiam esses organismos multilaterais enquanto cumprem eficientemente as suas missões.

Um funcionário descreveu Malpass como "um guerreiro feliz" e um "campeão das políticas pró-crescimento", que procura "levar crescimento económico a países de baixa renda".

Contudo, confirmaram que Malpass, que é um dos funcionários que negoceia a normalização do comércio EUA-China, defende a redução dos empréstimos a Pequim, por considerar que o gigante asiático dispõe de boas fontes de recursos e financiamentos.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade