Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Bill Gates diz ter-se inspirado em Nelson Mandela para ajudar África

| Editoria Política | 12/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O fundador da empresa Microsoft e filantropo, Bill Gates, comoveu a Cimeira da União Africana (UA) ao revelar os segredos duma conversa telefónica mantida com o finado herói da luta Anti-Apartheid, Nelson Mandela, que foi uma fonte de inspiração durante duas décadas para ele e que lhe permitiu desembolsar 15 biliões de dólares americanos para ajudar a lutar contra a pobreza em África.

Lembrou as circunstâncias deste encontro, que o inspirou mais tarde para angariar fundos a favor da sua campanha internacional contra a poliomielite.

Gates declarou domingo,10 de fevereiro, na cimeira da UE ter poucos conhecimentos sobre África nesta época, mas que a sua conversa com Nelson Mandela o levara a visitar o continente de dois em dois anos, há 19 anos.

Dirigente da Fundação Bill e Melinda Gates, ele prometeu recentemente 258 milhões de dólares americanos para a luta contra o paludismo através de projetos de pesquisas sobre uma vacina.

Frisou ter-se apegado a África, disse a aquela conversa telefónica com Mandela.

Gates não duvida da Agenda de 2063 da União Africana, e acredita que os sonhos de construir uma vida estável para a juventude africana, graças a infraestruturas modernas e a comboios de alta velocidade, são realizáveis. 

Frisou no entanto que a prioridade deve ser atribuída à população não a visões abstratas.

Para Gates, urge formar uma nova geração que domine a tecnologia para fazer planos e, mais tarde, fazer funcionar infraestruturas do futuro.

Segundo ele, a preocupação atual consiste em reforçar as capacidades dos professores que ajudarão os jovens a planificar a circulação dos comboios sem rutura de carga.

Referindo-se ao imenso interesse que a sua Fundação atribui a África, Gates disse que ele e a sua esposa, Melinda, criaram esta Fundação a partir do dinheiro obtido graças a Microsoft , mas que o desafio da luta contra a poliomielite lhe abriu os olhos para outras oportunidades.

"Aprendemos como arrecadar fundos junto dos países para ajudar as nações pobres a lutarem contra a pólio. Em 2000, o mundo não dispunha de nenhuma estimativa relativa ao número de pessoas que morreram de paludismo", lembrou Gates.

Graças aos investimentos em massa da sua Fundação, na pesquisa e no desenvolvimento, o mundo possui agora dados precisos, a localização de novos focos de epidemias entre outros.

Por conseguinte, prosseguiu, a Fundação conseguiu angariar 15 biliões de dólares americanos investidos posteriormente na luta contra doenças que mais afetam o continente. O interesse de Gates por África vale-lhe o seu convite enquanto hóspede especial da cimeira da UA.

Segundo ele, cada dólar investido na melhoria dos tratamentos sanitários, na educação e no bem-estar social vale a pena e a UA pode mudar as coisas focalizando-se em investimentos astuciosos.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade