Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

África quer tornar comércio intra-africano uma marca

| Editoria Economia | 13/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Amélia Domingos  

 A primeira Edição da Feira Intra-Africana (IAFT-2018), realizada na cidade do Cairo, Egipto, foi o pontapé de saída para a efectivação da Zona de Livre Comércio Continental (ZCLC). Em Março do ano passado foi assinado o acordo de nascimento ZLCC, por 44 Estados Membros. Os outros onze países com economias "fortes", como a Nigéria e África do Sul, ainda estão cépticas quanto a este projecto da União Africana. Continuam a não subscrever o acordo.

MAS O EX-PRESIDENTE da Nigéria, Olusengun Obassanjo, um dos mentores deste projecto, afirmou, num dos seus discursos na IAFT-2018, no Cairo, que basta pelo menos 22 países africanos ratificarem o acordo para logo ser implementado. A União Africana tem consciência que tem pela frente um enorme desafio, afirmou. Porquanto, o continente "não pode esperar por aqueles que ainda estão cépticos. Basta pelo menos 22 países ratificarem para que a ZLCC seja implementada".

Para Olusengun Obassanjo, a IAFT-2018 foi a maior amostra de negócios, cuja concretização, com sucesso, veio reforçar esseobjectivo. Os países africanos mostraram aquilo que se produz, principalmente em sectores como a agricultura, indústria têxtil, farmacêutica, alimentar, madeira, mineira, petrolífera, automobilista, tecnologia, energia renovável, etc.

Segundo os promotores, a União Africana (UA) e o Banco Africano de Importação e Exportação (Afreximbank), o evento ultrapassou as expectativas, a todos os níveis, tendo estabelecido 700 contactos de negócios, estimados em torno de 30 mil milhões de dólares, contra os 25 mil milhões previstos.

Foram 1100 expositores, num espaço de 16 mil metros quadros, 42 pavilhões mais de 70 mil visitantes, cerca de 80 países, entre africanos e não africanos. A organização quer fazer deste evento uma marca e já programa a próxima edição, a acontecer em Kigali, Rwanda, em 2020.

 

(Leia o artigo na integra  na edicção nº136 da Revista África21, mês de Fevereiro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade