Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Cultura

“Barracoon, a História do Último Navio Negreiro”De Zora Neale Hurston, publicado 70 anos depois

| Editoria Cultura | 14/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por José Mendonça

 “- Quero lhe perguntar muitas coisas. Eu quero saber quem você é e como você se tornou um escravo; e a que parte da África você pertence, como você se saiu como escravo, e como você conseguiu ser um homem livre? - Quando ele ergueu o rosto molhado novamente, murmurou: 

- Obrigado, Jesus! Alguém vem saber do Cudjo! Eu quero contar para alguém quem sou eu, então talvez essa pessoa vá dizer a todos o que Cudjo falou, e como eu vim para a América desde 1859 e nunca mais vi o meu povo. “ 

 Este é um pequeno extracto do livro de Zora Neale Hurston sobre o último sobrevivente do comércio transatlântico de escravos, Cudjo Lewis, publicado a 8 de Maio de 2018, quase um século depois de ter sido escrito.

Hurston conta a história de Cudjo Lewis, que nasceu no que hoje é o Benin, na África Ocidental. Originalmente chamado Oluale Kossula, foi capturado por membros da vizinha tribo Dahomé e levado para a costa quando tinha apenas 19 anos. Lá, Kossula e cerca de 120 outros troféus de guerra africanos foram vendidos como escravos e enlatados no Clotilda , o último navio negreiro a chegar aos Estados Unidos.

A obra foi ignorada por mais de 70 anos, porque o mito de africanos pobres e explorados, capturando e vendendo seus compatriotas para os escravocratas, não convinha à América que desejava não ofender ainda mais os afro-americanos. 

Embora os Estados Unidos tenham aprovado a "Lei de 1807 sobre a Proibição da Importação de Escravos ", os navios continuaram a desalfandegar africanos raptados para a América por mais de 50 anos. Aproximadamente 60 anos após a abolição da escravatura, a antropóloga Zora Neale Hurston  localizou o último sobrevivente cativo do último navio negreiro a trazer africanos para os Estados Unidos.

Hurston conduziu entrevistas com o sobrevivente, mas lutou para publicá-las como um livro no início dos anos 1930. Na verdade, só agora sai a público sob o título de “Barracoon: a História do Último Navio Negreiro”.

O cargueiro Clotilde trouxe os seus prisioneiros para o Alabama em 1860, apenas um ano antes do início da Guerra Civil. Embora a escravidão fosse legal naquela época nos EUA, o comércio internacional de escravos não era. A odisseia de Cudjo Lewis é um exemplo de como os traficantes de escravos deram a volta à lei para continuar importando carga humana.

Para evitar a detecção, os captores de Lewis vestiram-no decentemente, assim como aos outros sobreviventes no Alabama durante a noite e os esconderam num pântano por vários dias. Para ocultar a evidência do crime, o veleiro de 86 pés foi incendiado nas margens do delta Mobile-Tensaw (a carcaça carcomida pode ter sido descoberta em Janeiro de 2018).

A narrativa de Cudjo Lewis fornece um relato em primeira mão do trauma desorientador da escravidão. Depois de ter sido sequestrado na sua terra, Lewis foi forçado a entrar num navio. Os capturados conviveram vários meses juntos durante a travessia para os Estados Unidos, mas foram separados no Alabama para irem a diferentes plantações.

"Lamentamos muito nos separar dos nossos irmãos", disse Lewis a Hurston. “Durante setenta dias atravessamos o oceano de África e agora nos separamos num outro lugar. Por isso, chorámos. A nossa tristeza era tão pesada. Acho que talvez eu morra no sono quando sonho com a minha mãe.”

Lewis também descreve como foi chegar a uma plantação onde ninguém falava a sua língua e como lhe explicaram onde ele estava ou o que estava acontecendo. 

Quanto à Guerra Civil, Lewis disse que não estava ciente disso quando começou. Mas a meio caminho, ele começou a ouvir que o Norte tinha começado uma guerra para libertar pessoas escravizadas como ele. Poucos dias depois de o general confederado Robert E. Lee ter-se rendido em Abril de 1865, Lewis diz que um grupo de soldados da União parou num barco no qual ele e outras pessoas escravizadas estavam e disse que estavam livres.

Lewis esperava receber uma indemnização por ter sido sequestrado e forçado à escravidão, e ficou furioso ao descobrir que a emancipação não veio com a promessa de “quarenta acres e uma mula”, ou qualquer outro tipo de reparação. Frustrado com a recusa do governo em fornecer-lhe terras para viver depois de roubá-lo da sua terra natal, ele e um grupo de 31 pessoas liberaram dinheiro para comprar terras perto da capital do estado, chamada de Africatown.

O uso do diálogo vernacular pela autora do livro, tanto nos seus romances quanto em suas entrevistas antropológicas, foi muitas vezes controverso: alguns pensadores negros americanos na época argumentavam que isso representava caricaturas negras nas mentes dos brancos. Hurston discordou e se recusou a mudar o dialecto de Lewis - que foi uma das razões pelas quais uma editora transformou o manuscrito nos anos 1930.

Muitas décadas depois, os leitores modernos têm a oportunidade de conhecer a história de Lewis da forma como ele contou.

(Leia o artigo na integra  na edicção nº136 da Revista África21, mês de Fevereiro)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade