Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Sociedade

Felipe VI pede a Mohamed VI para ir "mais longe " no controle da emigração

| Editoria Sociedade | 14/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O rei de Espanha Felipe VI pediu  na quarta-feira,13, em Rabat, ao seu homólogo marroquino, rei Mohamed VI, para  intensificar sua colaboração para impedir a chegada de imigrantes ilegais à Espanha. 

As autoridades espanholas transmitiram aos seus homólogos marroquinos uma mensagem de agradecimento pelos esforços de Rabat na luta contra a imigração ilegal (à qual Marrocos dedica 13.000 tropas das suas forças de segurança), mas pediram-lhes que fossem "mais longe" em cooperação bilateral para controlá-los.

Para tal, A Espanha  assinou dez acordos com o Marrocos,  dos quais o de luta contra o crime organizado (terrorismo, tráfico de droga e imigração ilegal) e o protocolo de cedência  do teatro Cervantes de Tânger, assinados pelo  ministro do Interior de Espanha, Fernando Grande-Marlaska Marlaska e pelo ministro marroquino do Interior, Abdelouafi Laftit. 

A Espanha ofereceu apoio a Marrocos  para reforçar o controle de suas fronteiras, não só ao encerrar as costas de onde os barcos estão navegando, mas também protegendo as entradas pelo aeroporto de Casablanca e combatendo as máfias que traficam seres humanos.

A Organização Internacional para as Migrações estima quecerca de  4.104, imigrantes chegaram em pequenas embarcações, ao  Estreito de Gibraltar, em Janeiro deste ano.

Para limitar este fenómeno, a Espanha ofereceu a Marrocos um impulso à imigração regulamentada de trabalhadores sazonais, como os morangos de Huelva, que passaram de 198 em 2000 para 19.179 na campanha de 2019.

Com esta campanha, Felipe VI quer reforçar o retorno de imigrantes ilegais, que após a repressão que ocorreu no ano passado, "aumentou substancialmente", como assegurou Fernando Grande-Marlaska.

A Espanha e Marrocos que já possuem delegacias comuns em Tânger e Algeciras, formarão equipas de policias conjuntas para combater a emigração.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade