Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

79 jornalistas detidos no Sudão desde início de manifestações de protestos

| Editoria | 15/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Pelo menos 79 jornalistas foram detidos há cerca de dois meses à margem do movimento de protesto, em várias cidades sudanesas, contra o regime do Presidente sudanês, Omar El Bechir, após a alta do preço do pão, indicou a Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

A campanha de interpelações sistemáticas, sublinhou RSF, não só atingiu os repórteres que cobriam as manifestações em todo o país, como também jornalistas que ousaram protestar contra a política de censura e detenções efetuadas pelas autoridades para impedirem a circulação de informações.

No início de fevereiro, indicou a organização para a defesa dos média, 16 jornalistas encarcerados há mais de 48 horas ou há várias semanas nas prisões do regime sudanês, foram libertos nos últimos dias após um encontro entre o Presidente Omar el-Bechir e vários responsáveis de jornais.

No entanto, o potente Serviço de Inteligência e de Segurança Sudanês (NISS) continua a confiscar jornais e proibir a sua publicação enquanto vários jornalistas são processados por terem coberto estes eventos.

"A soltura de jornalistas detidos está longe de pôr termo à repressão contra a imprensa. Pedimos o fim da censura e nomeadamente, os confiscos incessantes de jornais, bem como o abandono de todas as ações judiciais contra os profissionais da informação. Não haverá fim de crise no Sudão sem jornalistas livres para testemunharem a atualidade", disse Arnaud Froger, responsável do Escritório África de RSF.

Desde o início das manifestações contra a alta do preço do pão, a 19 de dezembro de 2018, que se transformaram em movimento de ira geral contra o regime sudanês, a RSF denunciou uma "perseguição a jornalistas" por parte do regime no poder, após a detenção de 28 profissionais dos média, interpelados quando participavam num comício para denunciar a recorrência dos atentados à liberdade da imprensa no seu país.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade