Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Sociedade

79 jornalistas detidos no Sudão desde início de manifestações de protestos

| Editoria Sociedade | 15/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Pelo menos 79 jornalistas foram detidos há cerca de dois meses à margem do movimento de protesto, em várias cidades sudanesas, contra o regime do Presidente sudanês, Omar El Bechir, após a alta do preço do pão, indicou a Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

A campanha de interpelações sistemáticas, sublinhou RSF, não só atingiu os repórteres que cobriam as manifestações em todo o país, como também jornalistas que ousaram protestar contra a política de censura e detenções efetuadas pelas autoridades para impedirem a circulação de informações.

No início de fevereiro, indicou a organização para a defesa dos média, 16 jornalistas encarcerados há mais de 48 horas ou há várias semanas nas prisões do regime sudanês, foram libertos nos últimos dias após um encontro entre o Presidente Omar el-Bechir e vários responsáveis de jornais.

No entanto, o potente Serviço de Inteligência e de Segurança Sudanês (NISS) continua a confiscar jornais e proibir a sua publicação enquanto vários jornalistas são processados por terem coberto estes eventos.

"A soltura de jornalistas detidos está longe de pôr termo à repressão contra a imprensa. Pedimos o fim da censura e nomeadamente, os confiscos incessantes de jornais, bem como o abandono de todas as ações judiciais contra os profissionais da informação. Não haverá fim de crise no Sudão sem jornalistas livres para testemunharem a atualidade", disse Arnaud Froger, responsável do Escritório África de RSF.

Desde o início das manifestações contra a alta do preço do pão, a 19 de dezembro de 2018, que se transformaram em movimento de ira geral contra o regime sudanês, a RSF denunciou uma "perseguição a jornalistas" por parte do regime no poder, após a detenção de 28 profissionais dos média, interpelados quando participavam num comício para denunciar a recorrência dos atentados à liberdade da imprensa no seu país.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade