Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Angola foi o país que mais contribuiu para novas descobertas da ENI

| Editoria Economia | 19/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 A petrolíferaENI disse nesta segunda-feira,18,  que Angola foi um dos países que mais contribuiu, em 2018, para a descoberta de reservas de 600 milhões de barris de petróleo a nível global, tendo "um papel chave" no portefólio.

"Com 150 mil barris diários, Angola é o nosso principal produtor na África subsaariana e desempenha um papel chave dentro do portefólio da ENI", disse a porta-voz da empresa.

A ENI anunciou  também que no ano passado, fez descobertas que representavam cerca de 600 milhões de barris de petróleo, ultrapassando a meta de 500 milhões de barris.

Com as recentes descobertas de Kalimba e Afoxé, Angola é um dos maiores contribuintes  sendo os outros o México, a Noruega, o Egito, Chipre, Congo e Nigéria.

Em Junho do ano passado,  foi descoberto o campo de  Kalimba, a sudeste do Bloco 15/06, e tem capacidade de 300 milhões de barris de óleo leve, ao passo que o Afoxé foi descoberto em Dezembro, na mesma zona, e pode ter até 200 milhões de barris.

"As duas descobertas confirmaram o potencial petrolífero da parte sudeste do bloco que, até à data, se pensava ser mais propenso a ter gás", afirma a ENI.

 A petrolífera italiana  está actualmente "a estudar a maneira mais eficiente e eficaz de desenvolver as duas descobertas em conjunto, aproveitando totalmente todas as possíveis sinergias e, em perspectiva, da capacidade de tratamento disponível do navio Olombendo", voltado para o armazenamento e distribuição da produção.

A  ENI anunciou também  os resultados do  lucro líquido obtido em  2018, avaliado em  4.226 milhões de euros, 25%  a mais do que em 2017.O lucro ajustado foi de 4.592 milhões de euros, um aumento de 93% relativamente a 2017.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade