Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Estudos

Moçambique: FAO prevê insegurança alimentar severa

| Editoria Estudos | 20/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estimou na terça-feira,19, que cerca de dois milhões de moçambicanos venham a sofrer de insegurança alimentar severa, até final de Março.

De acordo com o relatório divulgado, a província de Gaza, sul de Moçambique, está a ser a mais afectada, à semelhança de anos anteriores, devido a  seca prolongada, assim como chuvas fortes, descreve a organização.

Os resultados  são "rendimentos agrícolas abaixo da média, particularmente no sul e partes da região central, onde se estima que 815.000 pessoas estejam em situação de insegurança alimentar severa", ou seja, "dificilmente têm o que comer todos os dias".

O documento da FAO prevê que  nos próximos 40 a 50 dias, o número de pessoas com dificuldade em ter alimentos possa chegar a dois milhões.

A praga da lagarta do funil do milho "também afectou significativamente a produção agrícola" e há 90% de probabilidade de Moçambique sofrer com o fenómeno meteorológico El Niño, o que "representa um alto risco para a colheita 2018/19, particularmente em áreas  afectadas pela seca",lê-se .

"Devido a colheitas falhadas, os agregados familiares nestas áreas serão forçados a plantar várias vezes, esgotando as sementes armazenadas", conclui.

No mesmo documento, a FAO estima necessitar de 9,7 milhões de euros para dar resposta à ajuda humanitária em  Moçambique.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade