Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Estado angolano espera arrecadar USD 80 milhões com privatização de sete empresas

| Editoria Economia | 01/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cerce de 80 milhões de dólares poderão ser arrecadados pelo Estado angolano com a privatização de sete empresas, de um universo de 52 unidades industriais a serem privatizadas, instaladas na Zona Especial Económica Luanda-Bengo (ZEE).

O anúncio foi feito no dia 28 de fevereiro, pelo administrador do Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), Gilberto Luther, por ocasião do lançamento do concurso público de privatizações e apresentação das sete empresas aos gestores públicos e empresários.

Segundo Gilberto Luther, o preço de venda das unidades industriais, vai de três milhões a 18 milhões de dólares norte-americanos, mas o valor de cada uma deverá ser analisado.

O Estado está a vender as empresas Univitro, Juntex, Carton, Absor, Indugited, Coberlen e a Saciango, destas apenas uma está em funcionamento.

A Univitro produz vidro, a Juntex está vocacionada para a construção e distribuição de estruturas de betão, a Carton fabrica cartolinas e caixas de cartão, a Absor produz fraldas e toalhas, a Indugited produtos de higiene, a Coberlen faz cobertores e a Sociango está vocacionada para a produção de sacos para a indústria cimenteira.

Na ocasião, o Presidente do Conselho de Administração do IGAPE, Walter Barros, disse que, ainda este ano, submeterão a concurso público as outras unidades industriais instaladas na ZEE.

“Depois da primeira fase, vamos fazer a avaliação e identificar algumas coisas que podem ser melhoradas, só assim levaremos as outras a concurso público, numa segunda fase ainda este ano”, esclareceu o PCA do IGAPE.

A ZEE está implantada numa área de 8.300 hectares de infra-estruturada, com água, electridade e vias rodoviárias, mas a capacidade eléctrica instalada deverá ser aumentada à medida que o número de unidades for crescendo.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade