Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

RDC: Reabre a Casa europeia de obtenção de vistos um ano depois

| Editoria Política | 07/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Na quarta-feira,06, a República Democrática do Congo (RDC) reabriu  em Kinshasa, o Centro Europeu de Vistos (CEV), harmonizando, assim, as suas relações diplomáticas com a União Europeia.

A reabertura do Centro esteve ao cargo do Encarregado de Negócios da Bélgica, Philippe Bronchain, na presença do director do gabinete do Presidente Tshisekedi, Vital Kamerhe, e do seu Conselheiro especial para a Segurança, François Beya.

A partir de sexta-feira, 08, a instituição entra em funcionamento. Tem como actividade  principal receber os pedidos de vistos Schengen (destinados a estada de curta duração) para a bélgica e de outros 17 estados que a bélgica representa na RDC.

Tais países são a Alemanha, a Áustria,  a Estónia; a Finlândia, a França, a Hungria e a Itália. Inclui ainda países como a Letónia, a Lituânia, o Grande Ducado de Luxemburgo, assim como Noruega, os Países Baixos, Portugal, a Eslováquia, a República Checa, a Eslovénia e a Suécia.

A reabertura do CEV aconteceu um anos depois do seu encerramento, na sequência do diferendo que envolvia   as partes ligadas ao processo eleitoral congolês, e por  a UE ter acusado e sancionado alguns caciques do antigo regime por supostamente violarem os direitos humanos durante as manifestações políticas na RDC.

A normalização das relações entre a Bélgica e a  RDC resulta  da alternância do poder, com a substituição de Joseph Kabila por Félix Tshisekedi, na presidência da república.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade