Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Sociedade

Reino Unido : Mulher é sentenciada a 11 anos de prisão por mutilação genital da filha

| Editoria Sociedade | 11/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Uma mulher de nacionalidade  ugandesa, 37 anos, foi sentenciada sexta-feira ,08, em Londres a 11 anos de prisão por mutilação genital da sua filha de três anos.

A mulher se tornou a primeira pessoa condenada no Reino Unido por cometer crime desta natureza.

As mutilações genitais são “uma prática cruel e um crime grave”, declarou a juíza. “É um crime contra as mulheres, que lhes é infligido particularmente quando são jovens e vulneráveis”, acrescentou.
Quanto às consequências psicológicas para a vítima, a magistrada referiu que é “um fardo que dura toda a vida”.
O crime aconteceu em  Agosto 2017. Na altura  os pais tinham levado a criança coberta de sangue ao hospital. Na época afirmaram que ela tinha caído de um móvel da cozinha e ficado magoado com a quina da porta metálica de um armário. Mas esta versão foi refutada por todos os interrogados durante o julgamento.

A mutilação genital feminina consiste no corte do clitóris e dos pequenos lábios, é ilegal no Reino Unido desde 1985. Desde então, a lei foi emendada para permitir o julgamento das pessoas que levam crianças ao exterior para realizar tais mutilações.

A juíza sentenciou a mulher a uma segunda condenação de dois anos, que deverá cumprir depois da primeira, por posse de imagens indecentes e “pornografia extrema”.

O pai da vítima, um ganense de 43 anos, também foi julgado pela mutilação da menina, mas acabou absolvido. Ele, porém, foi condenado a 11 meses de prisão,  pena que já cumpriu pela posse de tais imagens.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade