Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Angola quer apoio da União Europeia para diversificar economia

| Editoria Política | 12/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo angolano pediu  segunda-feira,11, em Luanda, o apoio da União Europeia, enquanto “importante parceiro” de Angola, para ajudar a superar os constrangimentos que encontra no seu desafio de diversificar a economia.

A posição foi expressa pelo ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto, quando discursava na cerimónia de abertura da IV reunião Angola-União Europeia, no âmbito do programa Caminho Conjunto, que contou com a presença da vice-primeira ministra da Roménia, Ana Birchall.

Segundo o chefe da diplomacia angolana, o Governo vai continuar a defender uma política externa propícia a uma cooperação cada vez mais activa e diversificada com a União Europeia.

Para Manuel Augusto, a União Europeia representa uma força política económica cada vez mais activa nas relações com Angola

“Contamos por isso com o apoio da União Europeia como um importante parceiro que nos pode ajudar a superar os constrangimentos que ainda encontramos para colocar a economia angolana ao serviço do desenvolvimento, do progresso e do bem-estar das populações”, disse.

Manuel Augusto frisou ainda o desejo de que as partes reforcem o mecanismo de Caminho Conjunto, “um modelo de cooperação que, a curto, médio e longo prazos, possa contribuir para reverter o atual quadro de meros exportadores de matérias-primas, para fabricantes de produtos manufaturados industrializados, como garantia de uma maior oferta de emprego e de oportunidade de negócios”.

O chefe da diplomacia angolana destacou também o caráter cada vez mais dinâmico e abrangente da relação entre Angola e a União Europeia, incluindo em questões de paz e segurança, crescimento sustentável e criação de emprego. “Dá-nos a certeza que a mesma (relação) seja uma componente importante da política externa angolana, através do reforço da cooperação, da unidade de acção, na procura de formas mais eficazes para a realização desta agenda bilateral”, frisou.

“Neste particular, Angola tem intensificado o diálogo político-diplomático através da troca de informações no que diz respeito à resolução de conflitos em África, de uma forma geral, e na região dos Grandes Lagos, em particular, bem como a troca de informações sobre a situação na região da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral (SADC) dentro da aplicação dos princípios desta plataforma que é o Caminho Conjunto”, concluiu.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade