Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

Angola quer apoio da União Europeia para diversificar economia

| Editoria Política | 12/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo angolano pediu  segunda-feira,11, em Luanda, o apoio da União Europeia, enquanto “importante parceiro” de Angola, para ajudar a superar os constrangimentos que encontra no seu desafio de diversificar a economia.

A posição foi expressa pelo ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto, quando discursava na cerimónia de abertura da IV reunião Angola-União Europeia, no âmbito do programa Caminho Conjunto, que contou com a presença da vice-primeira ministra da Roménia, Ana Birchall.

Segundo o chefe da diplomacia angolana, o Governo vai continuar a defender uma política externa propícia a uma cooperação cada vez mais activa e diversificada com a União Europeia.

Para Manuel Augusto, a União Europeia representa uma força política económica cada vez mais activa nas relações com Angola

“Contamos por isso com o apoio da União Europeia como um importante parceiro que nos pode ajudar a superar os constrangimentos que ainda encontramos para colocar a economia angolana ao serviço do desenvolvimento, do progresso e do bem-estar das populações”, disse.

Manuel Augusto frisou ainda o desejo de que as partes reforcem o mecanismo de Caminho Conjunto, “um modelo de cooperação que, a curto, médio e longo prazos, possa contribuir para reverter o atual quadro de meros exportadores de matérias-primas, para fabricantes de produtos manufaturados industrializados, como garantia de uma maior oferta de emprego e de oportunidade de negócios”.

O chefe da diplomacia angolana destacou também o caráter cada vez mais dinâmico e abrangente da relação entre Angola e a União Europeia, incluindo em questões de paz e segurança, crescimento sustentável e criação de emprego. “Dá-nos a certeza que a mesma (relação) seja uma componente importante da política externa angolana, através do reforço da cooperação, da unidade de acção, na procura de formas mais eficazes para a realização desta agenda bilateral”, frisou.

“Neste particular, Angola tem intensificado o diálogo político-diplomático através da troca de informações no que diz respeito à resolução de conflitos em África, de uma forma geral, e na região dos Grandes Lagos, em particular, bem como a troca de informações sobre a situação na região da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral (SADC) dentro da aplicação dos princípios desta plataforma que é o Caminho Conjunto”, concluiu.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade