Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Sociedade

O futuro do Egipto passa pela energia solar

| Editoria Sociedade | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Hugo Melville

O Egipto lançou uma autêntica revolução energética. O objectivo do governo fixa-se na obtenção de 20% de todo consumo nacional, a partir de energias renováveis já a partir de 2022. Uma ambiciosa estratégia de parques solares com os olhos postos no progressivo abandono de energias fósseis. Os países do Golfo Árabe possuem petróleo, o Egipto tem o Sol.

O Egipto reinventa o seu futuro na senda da revolução de 2011, e dentro dos projectos lançados pelo general Abdel Fattah el- Sisi, a produção de energia mista começou a arrancar. A capacidade eléctrica instalada ronda os 42 GW, dos quais 91% provém de energias fósseis, e o resto de renováveis. Todavia, o governo ambiciona o mudar o cenário herdado do século XX, e incrementar as energias renováveis para 22% em 2022, e aumentar a produção para 37% em 2035. Com uma visão conjunta de investimentos em hidro energia e eólica.

Com o mercado solar em pleno desenvolvimento, sob pressão da crescente agonia da bio esfera que ameaça a existência de vida sustentável no planeta, o projecto egípcio considerado ambicioso, pode amanhã parecer modesto, pois segundo Agência Internacional de Energias Renováveis, a energia solar poderia fornecer 44 GW em 2030, tornando-a segunda fonte de energia depois do gás.

O parque solar de Benban, na região norte do Assuão, é o maior complexo solar do mundo, e depois de ultrapassadas algumas dificuldades iniciais, fornecerá a partir da metade deste ano de 2019, cerca de 1,6 a 3.0 GW de potência. O capital de investimento ronda 1,8 biliões de dólares, provenientes do Banco de Desenvolvimento Africano, da Corporação da Finança Internacional e do Banco de Investimento de Infra-estruturas da Ásia e do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, que se apoiaram no conforto de consórcios e convénios para fornecimento de energia e contractos assinados previamente.

O projecto de Benban, tornou-se um “case- study”, e o seu sucesso vai impulsionar o desenvolvimento de energia solar a nível regional e internacional, afirma Benjamin Attia, analista de mercados de energias renováveis.

Apesar de algumas opiniões críticas sobre a aposta egípcia na energia solar, que acusam de serem demasiado dependentes de subsídios governamentais, e com o projecto de Benban quase em funcionamento, o governo começou a construção de mais dois complexos, o de Kom Ombo, na mesma região de Assuão de 200 MW e outro a oeste do rio Nilo de 600 MW, cuja gestão de exploração será submetida a concurso internacional.

A Companhia Eléctrica do Egipto analisa os projectos de concurso com uma companhia da Arábia Saudita e uma sociedade espanhola para o complexo de Kom Ombo.

As empresas participantes nos projectos possuem a certeza da venda de energia para a empresa pública dona da rede de distribuição nacional a preços que desafiam a concorrência internacional. Segundo a Karm Solar, uma empresa com sede no Egipto, a possibilidade de venda de energia directamente ao sector privado é uma possibilidade rentável, pois os custos de produção vão permitir a competição entre no sector, e serão os consumidores que no final serão beneficiados.

“ O que nós estamos a fazer é qualquer coisa de novo mesmo à escala global. Nós temos capacidade de produzir energia a partir das estações de produção e transportá-la para a rede de distribuição, e vendê-la porta a porta”, afirma Ahmed Zahran, presidente da Karm Solar, que já fornece 15 clientes privados com a capacidade de 75 MW, que consegue vender electricidade solar a preços mais baixo que os fornecidos pela companhia estatal, citado pela revista African Business.

(Leia o artigo na integra  na edicção nº137 da Revista África21, mês de Março)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade