Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Sociedade

Racistas ou nem por isso?

| Editoria Sociedade | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Germano de Almeida

Foi nos inícios dos anos 60 do século passado, certamente por pressão dos movimentos independentistas e urgente necessidade de provar ao Mundo que éramos todos, brancos, pretos, amarelos, mulatos e companhia, todos iguais perante a Nação, que Portugal começou a integrar os naturais das ex-colónias nas tropas da Marinha. E lembro-me de um navio de guerra português que fundeou no porto da vila de Sal-Rei donde desembarcaram uma quantidade de jovens negros, bem tratados e fardados de um branco impecável e imaculado, e que saíram a passear e conhecer as ruas da vila. Quando passaram pela nossa casa a minha mãe viu-os e chamou-nos, Venham ver uns pretinhos de guerra a passar! Fomos ver. Eram muitos e rigorosamente fardados e bonitos, passeando em fila quase militar, sorrindo para nós, cumprimentando alegres. Depois que ficámos só nós, disse para a minha mãe, Mas espera, tu também és preta! Não, respondeu sem hesitar, nós somos cabo-verdianos.

Os cabo-verdianos em geral sempre tiveram alguma dificuldade em aceitar a sua condição de negro. Há muitos exemplos históricos a comprovar essa asserção, alguns bem caricatos como o caso de um administrador da ilha do Maio no século 18, negro como um carvãozinho, mas que se apresentou como branco a estrangeiros que visitaram a ilha. Pode ter sido o conhecimento dessa fraqueza nacional que levou Baltazar Lopes, no prefácio a Aventura Crioula de Manuel Ferreira, a afastar a nossa eventual condição quer de africanos quer de europeus, para sem mais nos afirmar orgulhosamente cabo-verdianos. E dentro dessa linha de pensamento, costumo defender, sem qualquer fundamento científico, é verdade, a existência de mais uma raça, a juntar-se às já existentes, e que é a raça cabo-verdiana. Penso que se alguém com capacidade e conhecimento e vontade, pegasse a sério nesse postulado, bem perfeitamente que sem grande esforço poderia reencher o novo conceito de mais uma raça no mundo, a cabo-verdiana, caracterizando-a como tendo sido historicamente composta por todas as raças e culturas que aqui aportaram e se juntaram e se misturaram e se multiplicaram e acabaram criando raízes e se espalharam pelas ilhas todas, todos moldados por uma terra onde tiveram que quebrar pedras para inventar comida e que manenti manenti não se acanhava de os matar à fome.

(Leia o artigo na integra  na edicção nº137 da Revista África21, mês de Março)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade