Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Estaca da África em Brexit

| Editoria Política | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Carlos Lopes

A África é menos dependente da ajuda do que nunca, mas os laços com os países doadores, e o Reino Unido em particular, continuam sendo importantes para setores como telecomunicações e bancos.  Preparar-se agora para o inevitável divórcio da Grã-Bretanha com a UE não é apenas prudente para muitos países africanos; pode ser uma questão de necessidade económica.

OXFORD - Enquanto a Grã-Bretanha se concentra em como sua relação com a União Europeia deve ficar depois que sair do bloco, em algum momento de 2019 , o resto do mundo já está se preparando para a era pós-Brexit. Para muitos países africanos em particular, preparar-se para o inevitável divórcio não é apenas prudente; pode ser uma questão de necessidade económica.

Muitos analistas obsessivamente rastreiam a pegada económica da China na África (em 2015, havia cerca de 2.650 projetos chineses de desenvolvimento em andamento no continente).  Mas o Reino Unido tem sido um parceiro de investimento muito mais comprometido com o continente ao longo dos anos.  No final de 2014, o investimento estrangeiro direto britânico na África foi de £ 42,5 bilhões  (US $ 54,1 bilhões), mais que o dobro dos £ 20,8 bilhões investidos pelo Reino Unido em 2005. O IDE britânico fluiu amplamente para os setores de telecomunicações e serviços financeiros , mas desenvolvimento projetos de ajuda e infraestrutura também têm sido um foco.

Esta tendência ascendente deverá inverter, no entanto, se as negociações do Brexit com a UE levarem a uma erosão da confiança no mercado britânico.  Como a Grã-Bretanha é forçada a sustentar sua própria economia, procurar oportunidades de investimento no exterior pode parecer menos justificável.

De longe, o impacto mais significativo de um “Brexit duro” para a África seria sentido no setor de serviços financeiros.  Ao negociar a saída do Reino Unido da UE, o governo da primeira-ministra Theresa May procurará garantir que a cidade de Londres mantenha seu lugar como principal centro financeiro da Europa.  Mas, mesmo que May falhe, as instituições financeiras sediadas em Londres poderiam simplesmente aumentar suas participações e se mudar para a Europa continental.  A África, no entanto, poderia sofrer como resultado.

(Leia o artigo na integra  na edicção nº137 da Revista África21, mês de Março)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade