Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Sociedade

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

| Editoria Sociedade | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Por Manfredo Ben

O recente dinamismo nos mercados das matérias-primas para exportação, relança o investimento internacional nas linhas férreas, através dos portos de Dar es-Salaan e Mombasa, num plano em rede que envolve um conjunto de países, que vai da Etiópia a Norte, aos países dos Grande Lagos e alcança a RD Congo. Uma revolução económica está em curso. Os investidores internacionais disputam com cobiça este mercado emergente.

NA PRINCÍPIO DA 9ª CIMEIRA de Infra-estruturas Férreas e Rodoviárias da África do Leste todos os olhos dos presente seguiram com curiosidade e vivo interesse as explicações do ministro tanzaniano dos Transportes, Isack Aloyce Kamawehwe, que apontava no mapa as futuras linhas férreas planeadas que vão partir do porto de Dar es-Salaan na Tanzânia e de Mombasa no Quénia, para seguirem para os países ribeirinhos dos Grandes Lagos (Ruanda e Uganda) e atingirem as estratégicas províncias orientais da República Democrática do Congo, a região mais rica do mundo em minerais diversos, a que os especialistas denominam por “escândalo geológico”.

Este investimento que atraiu investidores turcos, chineses, israelitas, sul-coreanos, alemães e de diversos países da União Europeia, visa desencravar os países do interior e dinamizar a Comunidade Económica dos Países da África de Leste, no balanceamento que vai permitir a independência da constelação tradicional do pólo sul-africano, e deslocando para leste a política geoeconómica da Zâmbia e talvez do Katanga, para não falar da região de Kivu e Ituri no Leste, que já estão de certa maneira “capturadas” por este novo que desagua no Índico.

A extracção mineira da cintura do cobre que envolve a região do Katanga, na RDC e na Zâmbia, são o foco principal dos investidores internacionais, em particular de potências asiáticas, que lavaram à saturação dos portos de Dar es Salaam e Mombasa, não obstante grandes trabalhos de modernização portuária. A recente decisão da construção dos novos portos, de Lamu (Quénia) e Bagamoyo (Tanzânia) apontam para o futuro da dinâmica económica em toda da África de Leste.

(Leia o artigo na integra  na edicção nº137 da Revista África21, mês de Março)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade