Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Sociedade

Nas areias movediças do Médio Oriente

| Editoria Sociedade | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ESTADO ISLÂMICO, vulgo Daesh, acabou. No Iraque, a guerra acabou em Dezembro de 2017. Na Síria, quando esta edição da África 21 estiver à venda, os últimos jihadistas entrincheirados na localidade de Baghouz Fouqani, no Sudeste do país, entre a margem oriental do Eufrates e a fronteira iraquiana, estarão mortos ou terão sido capturados pelas forças árabo-curdas, apoiadas pela coligação internacional encabeçada pelos Estados Unidos.

Para a opinião pública internacional, o fim do proto Estado, criado em 2014, entre o Iraque e a Síria deixou, há muito, de interessar, além do eventual regresso aos países de origem de dezenas de milhares de combatentes estrangeiros, suas mulheres e filhos. O presidente dos Estados Unidos disse, em Dezembro, que os seus compatriotas estavam «cansados» e que era hora de trazer para casa os militares que participaram, no terreno, à sucessão de guerras que durante três décadas o «ocidente» livrou na região que se estende do Mediterrâneo ao Afeganistão.

Os americanos não são os únicos a terem o sentimento de que, talvez, não valeu a pena gastar tanto dinheiro e matar tanta gente porque, além das ruínas, não se vislumbram mudanças ou ganhos significativos, em termos de democracia, liberdades e condições de vida, para os povos da região. Embora se continue a combater, no Iémen, na Líbia e no Afeganistão, chegou a hora dos balancés, porque o mundo não pára e é preciso começar a pensar no futuro desta entidade, de contornos mal definidos, que os jornalistas se habituaram a chamar de «mundo árabe», centrado na Península Arábica, berço do Islão, religião hoje professada por um quarto da humanidade.

Como todos os povos colonizados, os nacionalistas árabes tiveram, no século passado, sonhos de emancipação e progresso, o petróleo foi o coveiro do pan-arabismo laico e modernizador e teceu, depois da segunda guerra mundial, novos laços de dependência entre o Ocidente e as suas ex-colónias árabes, de que saíram beneficiados os feudais mais retrógrados das «petromonarquias».

(Leia o artigo na integra  na edicção nº137 da Revista África21, mês de Março)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade