Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

Moçambique: PR diz que processo de paz está lento, mas com grande evolução

| Editoria Política | 13/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, afirmou em Maputo que o processo de paz com a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, "está lento", apesar de registar uma evolução "muito grande".

"Embora lento, com uma tendência de evolução muito grande, o processo está a continuar e a caminhar", afirmou Filipe Nyusi, em breves declarações aos jornalistas, à margem de uma sessão do Conselho de Ministros.

De acordo com o chefe de Estado, neste momento os peritos estão a discutir o Desarmamento, Desmobilização e Reintegração dos homens armados da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

"A evolução é boa, o trabalho está a andar e não faltarão dificuldades", disse Nyusi.

O presidente moçambicano esclareceu a controvérsia gerada pelas afirmações, na segunda-feira, do ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, José Pacheco, de que o Governo já integrou nas Forças Armadas 400 oficiais da Renamo e que foram depois refutadas pelo principal partido da oposição.

A Renamo acusou o ministro José Pacheco de "mentira grosseira" em relação ao processo de integração de oficiais daquele partido nas Forças Armadas.

O principal partido da oposição espera ainda que o executivo moçambicano aceite a integração de quadros da Renamo nos Serviços de Informação e Segurança do Estado (SISE), a secreta moçambicana.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade