Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

RDC: Nobel da Paz lamenta ataque aos centros de tratamento de Ébola

| Editoria Política | 14/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ginecologista congolês, Denis Mukwege, Prêmio Nobel da Paz de 2018, lamentou, quarta-feira,13, os ataques aos centros de tratamento do Ébola no leste da República Democrática do Congo e a negação da epidemia pela população.

"Como médico, fiquei muito chocado com esses actos de destruição das instalações de saúde que salvam vidas, o que é inaceitável", escreveu Daniel Mukwege.

Centros de tratamento de Ébola (ETCs) foram atacados várias vezes nos últimos dias em Butembo,  actual epicentro da doença na província de Kivu do Norte. Um agente da polícia foi morto em um ataque no sábado passado.

"Além disso, ouvi com espanto que os rumores que circulam na região estão desencorajando a população a se proteger contra a doença, a ser vacinada ou a tratar os pacientes", continua a mensagem.

"Como médico, enfatizo que o Ebola não é uma ficção, é uma doença que pode ser curada e evitada", disse o médico na província vizinha de Kivu do Sul. "Eu chamo a população para se juntar à acção das autoridades de saúde e organizações que nos ajudam a acabar com a epidemia de Ébola".

"Eu peço aos líderes (autoridades locais, sociedade civil, movimentos de juventude, media, líderes religiosos de todos os níveis) que apoiem ​​a estratégia para combater essa epidemia", continua ele.

Denis Mukwege pediu também  às autoridades e ONGs que integrem ainda mais os líderes locais nas estratégias de resposta.

O Ministério da Saúde congolês no seu  boletim diário divulgado na noite de quarta-feira, informou que o décimo surto de Ébola matou cerca de 584 pessoas dos  927 casos registrados.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade