Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

PAIGC vence eleições na Guiné-Bissau

| Editoria Política | 14/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Segundo dados provisórios, o Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde venceu as legislativas. Com 46,1 por cento dos votos, o PAIGC obteve 47 dos 102 assentos parlamentares que compõem a Assembleia Nacional.

No entanto, para governar, o PAIGC será forçado a negociar com os três  pequenos partidos políticos que conseguiram sete assentos, mormente  o Partido Parti Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB), a União para a Mudança (UM) e o Partido da Nova Democracia (PND).

Todavia, o PAIGC terá perante si os deputados que o abandonaram em Agosto de 2018, para formar o MADEM G-15, conquistando 27 assentos, e que aliaram-se ao Partido de Renovação Social (PRS), com 21 assentos, formando um bloco de 48 deputados.

Segundo os resultados provisórios, o partido do falecido Kumba Yala, que obteve 41 assentos em 2014, perde o seu estatuto de primeira formação política da oposição guineense.

Para evitar que o país volte a descambar numa violência política, os grandes partidos engajaram-se recorrer aos meios legais, como o Tribunal supremo, em caso de contestação dos resultados.

De acordo com o presidente da CNE, Pedro Sambù, o pleito correu bem, não havendo, até agora, qualquer contestação.

A população e a comunidade internacional esperam que a eleição venha a resolver e não agravar a crise que o país atravessou desde a demissão, em Agosto de 2015, pelo Presidente Mário Vaz, do então Primeiro-ministro Domingos Simões Pereira.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade