Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Cultura

Sarcófago egípcio de mais de 2.500 anos aberto em directo

| Editoria Cultura | 09/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O sarcófago de um sacerdote egípcio de mais de 2.500 anos foi aberto em directo, segunda-feira,8, durante uma transmissão do canal norte-americano Discovery Channel.

"Esse homem era como um rei", disse o arqueólogo egípcio, Zahi Hawass, em vista da qualidade das tiras de embalsamento e intactas, ao contrário das duas primeiras múmias.

Zahi Hawass e seus homens abriram três sarcófagos sob o olho das câmaras, uma das quais foi trazida para a superfície da tumba e a outra no final de uma galeria.

 No entanto, os arqueólogos se concentraram no terceiro sarcófago, muito mais imponente e sofisticado, que continha os restos mortais do  sumo sacerdote do deus Thoth ( Thot era frequentemente representado na forma de um íbis e simbolizava sabedoria e magia), contemporâneo da 26ª dinastia (664-525 aC).

"Perto do fim do antigo Egito, o poder realmente pertenceu aos altos sacerdotes", disse Josh Gates, o apresentador do programa, cuja encenação acentuou a dramatização da descoberta.

A emissão foi feita a partir da cidade de Minya, ao longo do Nilo, ao sul do Cairo, um local onde recentemente têm sido feitas várias descobertas com interesses arqueológico. “Há alguns anos, os arqueólogos começaram a fazer descobertas muito significativas aqui”, explicou Josh Gates.

O Secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Mostafa Waziri, também esteve presente durante a transmissão.

Quando questionado pela AFP sobre uma possível transação financeira entre o canal e o Estado egípcio para obter permissão para filmar e abrir as sepulturas, um porta-voz do Discovery se recusou a comentar.

A instabilidade política e os ataques afetaram o turismo no país desde a revolução de 2011. O sctor registrou uma melhoria relativa em 2018.

As autoridades egípcias anunciam regularmente descobertas arqueológicas, mas o país tem sido frequentemente acusado de falta de rigor científico e negligência na conservação de suas antiguidades.

O episódio inédito do programa teve a duração de duas horas e recebeu o nome de “Egypt Live”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade