Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Sociedade

Moçambique: Detidos funcionários do INGC e colaboradores por desvio de donativos das vítimas do Idai

| Editoria Sociedade | 10/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Dois funcionários do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e um colaborador para assistência de emergência encontram-se detidos numa esquadra da cidade da Beira desde a passada quinta-feira, 4 de abril. Segundo um comunicado do governo moçambicano, esta detenção deve-se ao facto de os arguidos estarem indiciados de desvio ilícito de bens doados para a população vítima do ciclone Idai e das inundações ocorridas em Sofala.

Entretanto, o Governo moçambicano informou ainda que está a monitorar por satélite a distribuição da ajuda humanitária pelas pessoas afectadas pelo Idai, ocorrido a 14 de março e que causou, pelo menos 602 óbitos e 1,5 milhão de pessoas efectadas. Foi também criada uma comissão para acompanhar as acções de distribuição de alimentos destinados às populações afectadas, que se encontram nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia e Tete, localizadas na região centro do país.

“ Esta Brigada do Conselho de Ministros já se encontra na Cidade da Beira, onde está instalado o Centro Operacional de Emergência e vai acompanhar todo o processo de distribuição liderado pelo INGC bem como, monitorar a chegada do apoio às vítimas destas calamidades”, lê-se no documento divulgado.

As medidas tomadas visam garantir a transparência nesta operação e evitar o desvio da ajuda humanitária concedida por parceiros nacionais e internacionais.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade