Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2019

ANGOLA

Situação Económica de Angola

ANGOLA

Informação e Percepção da Economia Angolana

ANGOLA

Recordar o passado para encontrar soluções

ÁFRICA

FATALIDADES E ESPERANÇAS DA ECONOMIA AFRICANA

AFEGANISTÃO

LISTA NEGRA DOS SOLDADOS DO PROFETA

ANGOLA

OS DESAFIOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2022

ÁFRICA

ADAPTAR OS EXÉRCITOS AFRICANOS AOS NOVOS INIMIGOS

ANGOLA

MPLA - O CONGRESSO DO REJUVENESCIMENTO

Rádio

Publicidade

Sociedade

Angola: Governo admite que resposta às calamidades e desastres causadas pela chuva não se tem revelado suficiente

| Editoria Sociedade | 11/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

As recentes chuvas, acompanhadas de ventos fortes em Luanda no passado domingo, 7 de abril, causaram a inundação de 410 residências, além de 15 casas terem ruído, deixando o mesmo número de famílias desalojadas, bem como dezenas de ruas e valas de drenagem inundadas, principalmente na zona periférica.

Ao intervir em Luanda, na quarta-feira, 10, na Reunião da Comissão Nacional de Protecção Civil e aprovação do quadro de recuperação à seca no sul do país 2019-2022, o secretário de Estado do Interior para o Asseguramento Técnico de Angola, Salvador Rodrigues, disse lamentar a desadequada “prestação de serviços básicos e de socorro, por falta de meios essenciais, incluindo muitas vezes a exiguidade de verbas”.

“ Embora tenhamos um plano nacional de preparação, contingência, resposta e recuperação de calamidades e desastres, a nossa intervenção no terreno não se tem revelado oportuno e suficiente”, afirmou, acrescentando que “neste contexto, tendo em conta a degradante situação social em que se encontram as populações afectadas e não existindo stock suficiente de meios e bens para atenuar o sofrimento, é urgente e necessário que a Proteção Civil se preocupe e se debruce sobre o assunto”.

Segundo o balanço provisório oficia da época das chuvas no país, que compreende o período entre 15 de agosto de 2018 e o dia 2 de abril deste ano, já morreram 209 pessoas, tendo 100 destes óbitos sido causado por descargas eléctricas, 101 por afogamento e oito por soterramento após o deslize de terras, além dos prejuízos corresponderem a quase 3.000 milhões de kwanzas (8,3 milhões de euros).

O relatório da Comissão informa igualmente que as chuvas causaram 350 feridos e 23.784 famílias afetadas, correspondentes a 114.463 pessoas, bem como destruíram 3.829 residências, danificaram outras 6.038 e inundaram 13.897, além de 85 igrejas, 98 escolas e nove centros médicos. Ocorreu também a morte de 137 cabeças de gado, a destruição de 7.553 hectares de lavras, de quatro pontes rodoviárias e de cinco postes de iluminação pública e a queda de 224 de árvores.

No entanto Salvador Rodrigues lembrou que o relatório abrange apenas os dados correspondentes até ao dia 2 de abril do ano em curso, o que significa que não está incluída a informação sobre as fortes chuvas que caíram ao longo da semana e que causaram mais vítimas mortais, com destaque para as províncias de Benguela, Luanda, Huíla, Bié, Cabinda e Uíge.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade