Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

FMI alerta Crescimento em África abaixo do necessário para a criação de emprego

| Editoria | 15/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta segunda-feira,15, que o crescimento económico de África continuará a crescer abaixo do necessário para a criação de emprego, e o investimento no capital humano e físico que permita criar postos de trabalho.

O Grupo Consultivo do FMI para África, reunido neste final de semana em Washington no âmbito da reunião de primavera do Fundo, com a presença da directora da instituição, Christine Lagarde, apontou a necessidade de o continente reduzir significativamente as suas vulnerabilidades associadas à dívida pública e privada.

“Neste contexto, concordamos que os países africanos precisam de criar margens orçamentais, precisam de aumentar a resiliência, incluindo às alterações climáticas, e de criar condições para um crescimento elevado e inclusivo, passando pela remoção de obstáculos à igualdade de género”, afirmou o comunicado conjunto assinado pela directora do FMI e pelo presidente do Grupo Consultivo, Kenneth Ofori-Atta.

O grupo apontou  como  grandes desafios do continente,  a  criação de políticas adequadas ao reforço do mecanismo de transmissão monetária; a remoção de barreiras ao comércio, incluindo no âmbito do Acordo de Livre Comércio Africano, o ataque aos fluxos de financiamentos ilícitos, o reforço da governança e do aumento da eficiência da máquina fiscal.

Christine Lagarde garantiu que “o Fundo manterá o estreito envolvimento com os seus membros africanos e continuará a apoiar os esforços das autoridades na supressão dos desafios macroeconómicos e estruturais e assim como no alcance de um crescimento forte, durável e inclusivo que promova o crescimento do mercado de trabalho”.

Por sua vez, Kenneth Ofori-Atta encorajou os Estados-membros africanos a manterem os compromissos com as reformas estruturais, mas, ao mesmo tempo, apelou à paciência do Fundo na condução dos seus programas, sempre que for demonstrado o compromisso das autoridades em relação aos objetivos e sucesso dos program

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade