Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

FMI alerta Crescimento em África abaixo do necessário para a criação de emprego

| Editoria | 15/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta segunda-feira,15, que o crescimento económico de África continuará a crescer abaixo do necessário para a criação de emprego, e o investimento no capital humano e físico que permita criar postos de trabalho.

O Grupo Consultivo do FMI para África, reunido neste final de semana em Washington no âmbito da reunião de primavera do Fundo, com a presença da directora da instituição, Christine Lagarde, apontou a necessidade de o continente reduzir significativamente as suas vulnerabilidades associadas à dívida pública e privada.

“Neste contexto, concordamos que os países africanos precisam de criar margens orçamentais, precisam de aumentar a resiliência, incluindo às alterações climáticas, e de criar condições para um crescimento elevado e inclusivo, passando pela remoção de obstáculos à igualdade de género”, afirmou o comunicado conjunto assinado pela directora do FMI e pelo presidente do Grupo Consultivo, Kenneth Ofori-Atta.

O grupo apontou  como  grandes desafios do continente,  a  criação de políticas adequadas ao reforço do mecanismo de transmissão monetária; a remoção de barreiras ao comércio, incluindo no âmbito do Acordo de Livre Comércio Africano, o ataque aos fluxos de financiamentos ilícitos, o reforço da governança e do aumento da eficiência da máquina fiscal.

Christine Lagarde garantiu que “o Fundo manterá o estreito envolvimento com os seus membros africanos e continuará a apoiar os esforços das autoridades na supressão dos desafios macroeconómicos e estruturais e assim como no alcance de um crescimento forte, durável e inclusivo que promova o crescimento do mercado de trabalho”.

Por sua vez, Kenneth Ofori-Atta encorajou os Estados-membros africanos a manterem os compromissos com as reformas estruturais, mas, ao mesmo tempo, apelou à paciência do Fundo na condução dos seus programas, sempre que for demonstrado o compromisso das autoridades em relação aos objetivos e sucesso dos program

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade