Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Sociedade

Idai: Unicef alerta que pelo menos 1,6 milhões de crianças precisam de ajuda urgente

| Editoria Sociedade | 15/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ciclone Idai deixou famílias no Malawi, Moçambique e Zimbábwe, enfrentando devastação. A Unicef alertou no domingo, 14 de abril, que pelo menos 1,6 milhões de crianças afectadas pelo ciclone Idai precisam de assistência urgente. Muitas delas perderam suas casas, escolas, hospitais, amigos e entes queridos. Desde que o Idai atacou, o Unicef tem se movido rapidamente para responder e fornecer suprimentos de emergência para os campos e comunidades para ajudar os deslocados pelas enchentes.

A organização está “particularmente preocupada com o acesso a serviços básicos por parte de mais de 130 mil crianças que permanecem deslocadas após o ciclone Idai, a maioria das quais em Moçambique e no Malaui”, sublinhando que “mais de 200 mil casas foram destruídas pela tempestade, só em Moçambique.

Entre os 1,6 milhões de crianças a precisar de assistência, um milhão são crianças moçambicanas, a que se juntam 443 mil no Malaui e 130 mil no Zimbabué, aponta a Unicef, sublinhando que, só em Moçambique, já se registaram cerca de 4.600 casos de cólera e 7.500 de malária.

Em Moçambique, a Unicef forneceu vacinas para imunizar com sucesso 900 mil pessoas contra a cólera, iniciou a distribuição de 500 mil redes mosquiteiras para proteger as crianças da malária e ajudou a restaurar o abastecimento de água para 500 mil pessoas na cidade da Beira.

A Unicef, que está a apoiar a instalação de clínicas em áreas de realojamento, informou que as campanhas vão concentrar-se nas próximas semanas na vacinação contra o sarampo, na desparasitação e nos reforços de vitamina A.

No Malaui, a Unicef já forneceu água potável a mais de 53 mil pessoas e instalações sanitárias para mais de 51 mil pessoas.

Naquele país, o fundo das Nações Unidas para a Infância está a fornecer “camiões cisterna para levar água, instalações sanitárias e Espaços Amigos das Crianças nos centros de evacuação, bem como medicamentos e clínicas médicas móveis, ‘kits’ de educação e recreativos e professores voluntários”.

No Zimbabué, a Unicef forneceu a mais de 60 mil pessoas “informações essenciais para prevenir doenças transmitidas pela água”, lançando na segunda-feira uma campanha de vacinação para proteger mais de 480 mil pessoas contra a cólera, em parceria com o Ministério Zimbabueano da Saúde e Assistência à Criança, e a Organização Mundial de Saúde.

A organização está ainda a distribuir de “‘kits’ de higiene, reabilitação de sistemas de água e restauração de instalações de saneamento, fornecimento de bens vitais de saúde e nutrição; e está a trabalhar com parceiros para prestar apoio psicossocial a crianças vulneráveis, em Espaços Amigos das Crianças”.

Em Moçambique, o ciclone fez 602 mortos e 1.641 feridos e afetou mais de 1,5 milhões de pessoas, segundo o mais recente balanço.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade