Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

Conselho de Segurança da ONU debate conflito na Líbia

| Editoria Política | 18/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Nova Iorque – O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se esta quinta-feira, em Nova Iorque, para analisar a situação na Líbia, a baços com um conflito militar que já provocou pelo menos 20 mil deslocados e milhares de migrantes encurralados.

Pelo menos seis pessoas morreram e 35 ficaram feridas nos últimos dias, em mais um bombardeamento no sul de Tripoli. A batalha contra o Governo, pelo controlo da capital, foi lançada a 4 de Abril, pelo marechal Haftar, através das forças que lhe são fiéis, o Exército Nacional Líbio.

O coordenador da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), Craig Kenzie, destaca a exposição das populações às condições "perigosas e desumanas" e acrescenta que alguns migrantes foram obrigados a integrar as frentes de batalha.

Pelo menos três trabalhadores da saúde morreram na sequência dos combates. Doenças como a tuberculose e sarna, assim como a falta de comida e água tornam ainda mais precárias as condições de vida nos territórios afectados.

Milhares de refugiados e migrantes de todo o continente africano afunilam-se na Líbia, na tentativa de chegar à Europa, mas acabam detidos e sujeitos a "horrores inimagináveis", segundo a ONU. Muitos migrantes são mantidos em campos de detenção e sujeitos a trabalhos forçados.

A comunidade internacional continua dividida sobre a ofensiva líbia. Um projecto de resolução do Reino Unido, apresentado no Conselho de Segurança, pedia um cessar-fogo e o acesso humanitário às zonas de combate, mas não passou, devido a oposição da Rússia, que a bloqueou, na semana passada.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade