Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Cultura

Cavaleiro da Ordem para Agnela Barros

| Editoria Cultura | 25/04/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A embaixada da França condecorou Agnela de Barros pelos inúmeros serviços notáveis prestados à francofonia.

De acordo com o embaixador de França, Sylvain Itté, afirmou que a homenageada, mesmo estando a trabalhar na TAAG, como directora executiva da Revista Austral, intervém em todas as áreas das artes e cultura.

Agnela Barros Wilper é presidente da Aliança Francesa desde 2009. Licenciada em Estudos Portugueses e Mestre em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora assistente da Universidade Agostinho Neto entre 1987 e 1997 e directora- geral do Instituto Nacional de Formação Artística do Ministério da Cultura entre 2003 e 2005.

A homenageada considerou a condecoração um acto de “grande simbolismo”, que permite recordar todos os investigadores angolanos, cujas acções não são tão visíveis, preferindo trabalhar mais nos bastidores.

Acrescentou que o reconhecimento do Governo francês “é um gesto que vai dar ânimo a muitos colegas que fazem investigação e não se preocupam com a visibilidade”. Recordou que muitos angolanos que ocupam cargos públicos exilaram-se em França fugindo do regime fascista em Portugal. “Precisamos do passado para conhecer o presente, vou continuar a estar ao lado da francofonia”, enfatizou.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade