Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Política

Governo maliano reúne-se com parceiros e encarregados de educação

| Editoria Política | 10/05/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 O Governo maliano reúne-se, este sábado, 11 de Maio, em Bamako, com sindicatos de professores, pais, a Associação de Alunos e Estudantes do Mali (AEEM), líderes tradicionais e religiosos e partidos políticos representados na Assembleia Nacional, para encontrar uma solução para a crise no sistema nacional da educação.

Esta decisão foi tomada durante o primeiro Conselho de Ministros do novo Governo, formado domingo último, pelo Presidente , com vista a encontrar soluções para os problemas que afectam o país, particularmente em termos de segurança, escolas e questões sociais.

Este encontro decorre sob a égide do Provedor da Justiça, coadjuvado pelos ministros do Diálogo Social, da Educação Nacional e do Ensino Superior e Investigação Científica, de acordo com o comunicado do Conselho de ministros.

O Governo conta, com efeito, com todas as partes envolvidas, para salvar o ano lectivo e a educação. "Com o intuito de salvar o actual ano lectivo, o Conselho de Ministros estuda a greve lançada por vários sindicatos de professores, há algum tempo", lê-se na nota.

Desde o início do ano lectivo, em Outubro de 2018, vários sindicatos de professores continuaram a fazer greves para exigirem melhores condições de vida e de trabalho, fazendo pairar o espectro de um ano lectivo em branco.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade