Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Economia

Angola: Governo quer cortar 9% ao OGE de 2019 pela cotação do petróleo

| Editoria Economia | 13/05/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo angolano pretende cortar 9% nas despesas públicas de 2019, além de reduzir o preço de referência do barril de petróleo para 55 dólares (49,11 euros), segundo a proposta de revisão ao Orçamento Geral do Estado (OGE) entregue esta semana no Parlamento.

O documento que baixa o preço de referência de 68 para 55 dólares (necessário para prever o encaixe de receitas petrolíferas), foi entregue pelo ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, ao presidente da Assembleia Nacional, Fernando Dias dos Santos, em Luanda.

Manuel Nunes Júnior declarou à imprensa que o preço e a produção petrolífera do país foram os dois factores que estiveram na base da previsão do OGE de 2019. De acordo com o referido ministro, o OGE revisto para 2019, com o valor global de 10,3 biliões de kwanzas (30.640 milhões de euros), que inclui receitas e despesas, apresenta uma redução comparativamente ao orçamento em vigor de cerca de 9% continuando a ser o sector social o maior beneficiado, com alocação de 33,5% da despesa total.

O ministro afirmou que em outubro do ano passado, quando o Conselho de Ministros apreciou o OGE para 2019, o preço do petróleo no mercado internacional rondava os 85 dólares (75,89) por barril, tendo baixado, em dezembro do mesmo ano, por altura da discussão na Assembleia Nacional, para 49 dólares (43,75 euros).

“Se neste momento, o preço está entre 70,71 e 72 dólares, não há garantias que permaneça neste patamar durante o ano”, esclareceu, tendo salientado que manter a referência de 68 dólares o barril de petróleo seria correr “um risco bastante grande”, sendo “mais seguro e estamos melhor protegidos de grandes flutuações do preço do petróleo no mercado internacional”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade