Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Zona de Livre Comércio Continental Africana já em vigor

| Editoria Economia | 31/05/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Zona de Livre Comércio Continental Africana (ZLECA) está em vigor desde quinta-feira, 30 de maio, anunciou o comissário da União Africana (UA) para o Comércio e Indústria, Albert Muchanga. 

Num tweet, Muchanga qualificou a entrada em vigor da ZLECA de “etapa histórica", na medida em que se trata de um empreendimento central para o desenvolvimento económico do continente e um passo importante para a integração e  complementaridade que devem garantir à África uma nova posição no panorama económico mundial.

“É uma etapa histórica... A ZLECA entrou em vigor este dia... Celebramos o êxito de um engajamento corajoso e pragmático para a integração continental”, regozijou-se Muchanga, no seu tweet.

O lançamento da sua fase operacional terá lugar a 7 de Julho próximo, durante a cimeira da UA, em Niamey, no Níger, depois da finalização nomeadamente dos seus mecanismos de arbitragem, da definição das regras de origem de mercadorias, bem como de mecanismos que permitirão lutar contra a corrupção ou más infraestruturas.

No total, 52 países, dos 55 que conta a organização continental, assinaram, desde Março de 2018, o acordo que criará esta zona de livre comércio em África.

A Nigéria, que representa a maior economia no continente, não assinou o acordo.

Esta iniciativa visa a eliminação progressiva dos direitos aduaneiros entre países membros, para ligar economias dispersas num mercado complementar, constituído por mais dum bilião de pessoas, lê-se no tweet.

A ZLECA visa também aumentar o comércio intra-africano em 60 por cento, até 2022, contra 16 por cento actuais, segundo o responsável.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade