Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Opinião

PR de São Tomé e Príncipe diz que justiça "está moribunda"

| Editoria Opinião | 03/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Presidente de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, afirmou domingo que a justiça são-tomense “está moribunda” e advertiu que “nenhum investidor” estará disposto a trabalhar no país “sem a garantia de uma justiça credível”.

“A nossa justiça está moribunda. Ninguém acredita mais nas decisões dos nossos agentes judiciários, ninguém compreende as actuações controversas, incluindo os magistrados, os advogados”, afirmou o chefe de Estado são-tomense, em entrevista à Lusa.

Evaristo Carvalho fez este comentário a propósito dos recentes desenvolvimentos do processo Rosema – do empresário angolano Mello Xavier – com decisões contraditórias emitidas pelos tribunais no espaço de 15 dias.

“No caso específico deste processo, há sinais de envolvimento de pessoas ou grupos ligados ao poder, que disputam interesses contraditórios também nesse sentido”, disse, salientando que, num país pequeno como São Tomé e Príncipe e em que há muitas relações familiares, “agora há uma chuva de suspeições entre os advogados, entre os magistrados”.

“De facto a credibilidade da nossa justiça está totalmente no fundo”, lamentou, considerando este como “um dos principais desafios” do país.

“Ninguém acredita, nenhum investidor vem trabalhar, colaborar connosco sem ter a garantia de uma justiça credível”, advertiu. “Sem credibilidade da justiça, ninguém é capaz de aventurar-se numa coisa destas”, comentou o chefe de Estado.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade