Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Política

Argélia: Conselho Constitucional anuncia "impossibilidade" de realizar eleições

| Editoria Política | 03/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 O Conselho Constitucional da Argélia anunciou a "impossibilidade" de organizar as presidenciais, previstas para o dia 4 de Julho, visto que as duas únicas candidaturas apresentadas forma rejeitadas

Em comunicado divulgado este domingo (02.06), o Conselho Constitucional revelou que as duas únicas candidaturas apresentadas foram rejeitadas, sem explicar as razões.

Nessas eleições, reprovadas previamente pelo movimento popular, deveria ser escolhido o sucessor do Presidente Abdelaziz Bouteflika, forçado a renunciar a 2 de Abril, diante da pressão conjunta das ruas e do Exército.

Segundo a Constituição, o Presidente interino, Abdelkader Bensalah, designado a 9 de Abril, deve ocupar o cargo de Chefe de Estado durante "90 dias", antes de transferir o poder. Este período de três meses chegará ao fim no dia 8 de Julho, deixando o país num cenário de incerteza política e jurídica.

Entretanto, o Conselho Constitucional não definiu uma nova data e afirmou que a missão "fundamental" do Chefe do Estado é a criação de um novo eleitorado para organizar o pleito.

"Corresponde ao Chefe do Estado de convocar de novo o eleitorado, e completar o processo eleitoral até a escolha do presidente da República e a prestação do juramento constitucional", explicou o órgão.

O anúncio de domingo se dá dois dias depois de uma grande manifestação nacional, na qual dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas pela 15ª sexta-feira consecutiva, para exigir uma verdadeira transição democrática e a queda do antigo regime, com o afastamento de figuras que permanecem no Governo.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade