Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Sociedade

Sudão: 40 corpos de civis retirados do rio Nilo

| Editoria Sociedade | 06/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Líderes da oposição sudanesa confirmaram na quarta-feira,05, a retirada de quarenta corpos pertencentes às vítimas da violenta repressão dos protestos pró-democracia, nas margens do rio Nilo, no Sudão.

De acordo com os médicos ligados à oposição os corpos estão entre os 100 supostos mortos desde que as forças de segurança atacaram um campo de protesto na segunda-feira.

A cadeia televisiva BBC que cita relatórios dos referidos médicos afirmou que um grupo paramilitar estava a atacar civis naquela região.

O Conselho Militar de Transição do Sudão (TMC) prometeu investigar a causa da chacina.

Moradores de Cartum disseram à BBC que estavam a viver com medo, enquanto membros das Forças de Apoio Rápido (RSF) percorriam as ruas.

O Comité Central de Médicos Sudaneses numa publicação no Facebook lamentou a morte de quarenta de seus “nobres mártires”.

Um membro do grupo disse à BBC que eles testemunharam e verificaram os corpos em hospitais e que o número de mortos até agora, subiu para 100.

Um ex-oficial de segurança, citado por um jornalista sudanês do Channel 4, contou que alguns dos que foram jogados ao Nilo foram espancados ou mortos a tiros e outros a catanadas. "Foi um massacre", disse.

O chefe do conselho militar do Sudão, general Abdel Fattah al-Burhan, pediu desculpas pela perda de vidas humanas e propôs a retomada das negociações, recuando assim da sua declaração do dia anterior em que disse que “o diálogo acabou.”

O Conselho Militar oficialmente ofereceu uma retoma incondicional das negociações. No entanto, uma aliança sudanesa de manifestantes e grupos de oposição rejeitou o convite alegando que não se podia confiar no Conselho Militar.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade