Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Política

Presidente moçambicano formaliza candidatura a um segundo mandato

| Editoria Política | 07/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente da Frelimo, partido no poder em Moçambique, Filipe Nyusi, entregou na quinta-feira,06, a sua candidatura perante os juízes conselheiros do Conselho Constitucional, acompanhado pelo secretário-geral do partido, Roque Silva, e pela mandatária da candidatura, Verónica Macamo.

Foi também entregue a lista das assinaturas dos apoiantes, recolhida a nível nacional.

Filipe Nyusi foi o primeiro a formalizar a candidatura, enquanto o principal partido da oposição, a Renamo, já anunciou que o seu líder, Ossufo Momade, também vai concorrer à presidência.

O terceiro partido, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), também já anunciou que vai candidatar o seu líder, Daviz Simango.

As eleições gerais (presidenciais, legislativas e provinciais) estão marcadas para 15 de Outubro.

Nyusi apontou como prioridade da sua candidatura a luta contra a corrupção.

"A luta renhida contra a corrupção e todo o tipo de males que dificultam o crescimento de Moçambique vai continuar. Não temos outra hipótese", disse, numa altura em que o seu partido enfrenta o caso das dívidas ocultas do Estado, um dos maiores casos de corrupção de sempre no país.

Empréstimos de 2,2 mil milhões de dólares, suportadas por garantias soberanas emitidas ilegalmente pelo anterior Governo, liderado pelo ex-presidente Armando Guebuza, levaram à detenção de dezenas de pessoas em vários países, entre os quais o ex-ministro das Finanças, Manuel Chang, e figuras próximas do ex-chefe de Estado.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade