Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Política

Eleições autárquicas de 2020 e alargamento do Comité Central marcam congresso do MPLA

| Editoria Política | 12/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A estratégia para o processo eleitoral das eleições autárquicas previstas para 2020 e o alargamento do Comité Central marcam, sábado, os trabalhos do 7.º Congresso Extraordinário do MPLA, indica uma nota do partido no poder em Angola.

Segundo o comunicado, o conclave, sob o lema "MPLA e os Novos Desafios", vai decorrer no Complexo Turístico Futungo 2, em Luanda, e será presidido pelo líder do Movimento Popular de Libertação de Angola, João Lourenço, igualmente chefe de Estado angolano.

Sem a liderança do MPLA estar em causa, os dois temas fortes são o alargamento do Comité Central do partido, em que existem 134 candidatos para se juntarem aos 363 membros atuais, e a estratégia para as primeiras autárquicas em 44 anos de independência de Angola, cujos contornos estão ainda por definir, estando por conhecer se se realizarão simultaneamente em todo o país, como defende a oposição angolana, ou em apenas alguns dos municípios, tal como pretende o partido.

O conclave, que contará com 2.591 delegados, tem também na agenda "ajustamentos pontuais" aos estatutos do partido, relacionados com o alargamento do Comité Central e "outros", e também a aprovação dos documentos finais, como a resolução geral do 7.º Congresso Extraordinário, e as diferentes moções a apresentar.

"Segundo os Estatutos do MPLA, qualquer órgão ou organização do partido, a nível nacional ou um terço dos participantes ao último congresso ordinário [realizado entre 17 e 20 de agosto de 2016] podem propor ao Comité Central ou ao presidente do partido a convocação de um congresso extraordinário, indicando, na proposta, as razões, sendo que o CC delibera, depois de consultar os órgãos intermédios, o que veio a acontecer", lê-se na nota.

No 6.º Congresso Extraordinário do MPLA, realizado a 08 de setembro de 2018, João Lourenço, Presidente de Angola desde setembro de 2017, foi eleito líder do partido com 98,58% dos votos, sucedendo a José Eduardo dos Santos, que presidiu o partido desde 1979.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade