Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2019

ANGOLA

Situação Económica de Angola

ANGOLA

Informação e Percepção da Economia Angolana

ANGOLA

Recordar o passado para encontrar soluções

ÁFRICA

FATALIDADES E ESPERANÇAS DA ECONOMIA AFRICANA

AFEGANISTÃO

LISTA NEGRA DOS SOLDADOS DO PROFETA

ANGOLA

OS DESAFIOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2022

ÁFRICA

ADAPTAR OS EXÉRCITOS AFRICANOS AOS NOVOS INIMIGOS

ANGOLA

MPLA - O CONGRESSO DO REJUVENESCIMENTO

Rádio

Publicidade

Política

Sudão: Ex-presidente do Sudão comparece sob prisão na procuradoria de Cartum

| Editoria Política | 17/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo presidente do Sudão, Omar Al-Bashir, compareceu sob prisão no domingo,16, na procuradoria de Cartum responsável por casos de corrupção.

Esta é a primeira aparição em público de Omar Al-Bashir após a sua destituição pelas Forças Armadas.

 Aladdin Dafallah, responsável da procuradoria de Cartum, disse que Omar al-BAshir é acusado de corrupção, posse de divisas estrangeiras, recepção de presentes de forma ilegal e de ordenar o estado de emergência.

Segundo o responsável, as actas de acusação foram lidas a Al-Bashir na presença do seu advogado e o indiciado regressou à prisão no fim de alguns minutos.

No poder desde 1989 após dirigir um golpe de Estado, Al-Bashir foi destituído e preso pelos militares a 11 de Abril em Cartum, sob pressão do inédito movimento de contestação desencadeado em Dezembro pela triplicação do preço do pão.

A 21 de Abril, o general Abdel Fattah al-Burhane, chefe do conselho militar de transição, no poder desde a destituição de Omar al-Bashir, afirmou que o equivalente a mais de 113 milhões de dólares foi apreendido na residência de Omar Al-Bashir.

Al-Bashir é ainda alvo de inquéritos judiciais pela morte de manifestantes durante a repressão da contestação e de mandados de captura pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) que o acusa de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra pelo conflito no Darfour (oeste).

No entanto, Os militares no poder referiram que não pretendem entregá-lo ao TPI.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade